16 de junho de 2019

ITAITUBA - CASO WINGLYA - DECRETADA PRISÃO TEMPORÁRIA DO EX-MARIDO, QUE AINDA NÃO SE APRESENTOU

Uma ossada humana foi encontrada na tarde de quinta-feira, 13, por volta das 15h, às margens da rodovia Transamazônica (BR-230), uns 30 metros dentro da mata, entre os km 85 e 90, nas proximidades da comunidade de Vila Raiol, entre os municípios de Itaituba e Jacareacanga, no sudoeste do estado do Pará.

A notícia do achado de uma ossada humana se deu através de um áudio via Whatsapp, que rapidamente viralizou, e continha a informação inicial de que um corpo tinha sido encontrado na Estrada do BIS mas, após averiguação das autoridades, a informação foi logo desmentida. Pouco tempo depois, surgiu outro áudio, dessa vez mais preciso, dando conta que até então um corpo tinha sido encontrado às proximidades da Vila Raiol, por pessoas que teriam ido ao local tirar palha para uma festa junina.

De posse da informação, policiais militares do serviço reservado foram ao local e constataram a veracidade da informação. Porém, no local estava apenas os restos mortais de uma pessoa que seria do sexo feminino, por causa das roupas encontradas junto à ossada. O superintendente da Policia Civil do Tapajós, Delegado Vigente Gomes e a delegada da mulher de Itaituba, Dra. Jéssica Araruna, foram até ao local e, em seguida, acionaram peritos do IML para a remoção dos restos mortais encontrados.
A ossada estava em uma pequena área aberta, entre pequenas arvores, em meios às folhas. Alguns pedaços de ossos foram encontrados em um raio de 15 metros longe do corpo; no local, os policiais encontraram uma lusa rosa e uma saia jeans. Tudo leva a crer que a execução foi naquele local e, após uma rápida análise do corpo, foram encontradas duas perfurações do lado direito, quase no meio da cabeça que, possivelmente, foi causado por um objeto corto-contundente e, do lado esquerdo, por trás da orelha tinha uma perfuração de bala; o chumbo do projétil foi encontrado dentro do crânio da ossada encontrada, posto que não atravessou a cabeça.

Winglya - com aparelho
Uma das hipóteses levantada pela polícia civil de Itaituba é que a ossada encontrada seja mesmo da jovem desaparecida há mais de 30 dias, Winglya Lopes, pois em Itaituba não teve nenhum outro registro de desaparecimento de uma pessoa do sexo feminino. Três pontos reforçam essa possibilidade: um, o cabelo loiro encontrado no local junto à ossada; dois, amigos e parentes de Wynglia afirmam que a jovem foi vista com o cabelo loiro, como aparece nesta foto. O terceiro ponto, foi que na arcada dentária havia aparelho ortodôntico, o que bate mais uma vez, com a descrição de Wynglia, pois a jovem fazia tratamento odontólogo e estava usando aparelho.

Winglya- cabelo loiro
A ossada foi removida para o IML de Itaituba, onde familiares e amigos de Wynglia estiveram no local, porém não tiveram certeza no reconhecimento, por isso o IML já providenciou para fazer o reconhecimento da ossada através de DNA. Foi colhido material dos parentes e um dos dentes da ossada e enviado para Belém; o resultado poderá levar uns trinta dias, mas a diretora do IML, Ângela Reges, diante da grande comoção pelo desaparecimento de Wynglia, pediu pressa na remessa do resultado do DNA. Nas redes sociais muita gente tem como certo que a ossada seja da jovem, mas ninguém pode afirmar com certeza, apenas o exame vai dar essa certeza.

Desde quando o caso foi comunicado na delegacia especializada em atendimento à mulher, policiais civis e militares do reservado começaram as investigações para encontrar a jovem. Com o passar do tempo, o caso foi ganhando proporção e clamor público. Sem respostas concretas, a sociedade cobra das autoridades competentes uma solução para o caso. 

Parentes e amigos da jovem foram ouvidos em depoimento, porem o ex-marido de Winglya, Arlison Sousa, que teria sido a última pessoa a ter contato com ela, não foi ouvido, não se apresentou para depoimento. Arlison foi intimado via advogado. O ex-marido falado para algumas pessoas que no dia do desaparecimento da jovem, 09 de maio, ela teria saído de casa no residencial Campo Belo, sem o filho menor de 02 anos, e levado uma quantia de 600 reais em dinheiro. que estava em sua carteira. Desde então, não teria mais visto a Winglya.

O relacionamento dos dois era conturbado. Uma amiga de Winglya contou à reportagem da Record que a desaparecida até a sua casa um certo dia e lhe contou que Arlison a teria levado para uma estrada, local não citada, e lhe ameaçado de morte.

Uma forte campanha foi feita nos meios de comunicação e nas redes sociais em busca de Winglya Lopes, de 25 anos de idade. Informações foram veiculados sobre o paradeiro de Arlison Sousa, época que ele saiu de férias, informações não confirmadas, foi de que, ele teria viajado para Manaus, em seguida para o Maranhão com filho para fazer uma cirurgia; depois surgiu a informação que mesmo estava em Itaituba, porém em local não sabido.

(Winglya e Arlison)

Arlison Sousa constituiu um advogado para fazer sua defesa; soube-se que Sousa iria apresentar-se, pois seu advogado está em conversações com as autoridades responsável pelo inquérito e diante da comoção do caso, em data sigiloso. 

Nas redes sociais, Arlison nega qualquer envolvimento no desaparecimento da Winglya. Inicialmente, ele não era considerado suspeito pela polícia, mas na atual conjuntura e com a expedição do mandado de prisão temporária, que é de cinco dias, e sua não apresentação espontânea, Arlison Sousa, é o principal suspeito do desaparecimento da sua ex- companheira.

(Arlison Sousa- suspeito)

Alessandro Campos, advogado de Arlison Sousa disse à imprensa seu cliente está surpreso com a possibilidade da ossada ser de sua ex- companheira. 

Prisão temporária

A prisão temporária será decretada pelo Juiz, em face da representação da autoridade policial (delegado) ou de requerimento do Ministério Público, e terá o prazo de 5 (cinco) dias, prorrogável por igual período em caso de extrema e comprovada necessidade.

No caso em tela, a prisão deve ter sido decretada nos termos do parágrafo III, art. 1º,  da lei 7.960, que diz:

Art. 1° Caberá prisão temporária:
(...)
III - quando houver fundadas razões, de acordo com qualquer prova admitida na legislação penal, de autoria ou participação do indiciado nos seguintes crimes:

a) homicídio doloso (art. 121, caput, e seu § 2°);

A prisão temporária é uma espécie de prisão cautelar, sendo instrumental para a apuração de um crime grave.
Na tarde de sexta feira, 14, familiares e amigos da jovem fizeram mais uma manifestação pelas ruas da cidade para pedir justiça, eles pedem a prisão de Arlison Sousa. A mãe da jovem está desesperada e ainda tem esperança de encontrar sua filha com vida. O caso ganhou repercussão nacional no Cidade Alerta, com as informações repassadas pela TV Record, neste sábado, 15.

(Bala retirada do crânio) 
(Cabelo loiro) 
(Blusa rosa)


Fonte: Junior Ribeiro TV Record Digital HD e Wikipédia

Reações:

1 comentários:

Anônimo disse...

Nossa que triste pra mãe e família ver essas fotos rolando por aí...