27 de fevereiro de 2019

ITAITUBA/PA - OS DONOS DA CIDADE

 
Itaituba, situada no sudoeste paraense, e como quase toda cidade pequena, tem uma parcela de pessoas que se intitulam donas dos espaços públicos, principalmente das praças.


Como péssimo exemplo dessa posse exercida a bel-prazer, está a senhora dona da casa da imagem acima, localizada na rua 24a, por detrás da Escola Municipal Gonzaga Barros, que não tolera que ninguém estacione veículos em frente de sua residência, e por atrapalhar sua visão e o vento, colocou três pequenas colunas em cimento no acostamento para proibir que carros estacionem ali; após este blog publicar a imagem com as três colunas, que teve grande repercussão, foram retiradas as colunas; não se sabe se por determinação da PMI ou a 'dona' do pedaço retirou, por livre e espontânea pressão, as colunas. A foto que inicia tal postagem é da aberração feita pela moradora.


A Orla de Itaituba e as praças de nossa cidade estão se tornando espaços privativos de pequenos comerciantes autônomos, que comercializam, em sua grande maioria, alimentos manipulados apesar desses locais não possuírem condições adequadas de higiene para o desenvolvimento dessa atividade.

Particularmente na Orla, vários carrinhos de churrasquinho, cadeiras, lonas, barracas imundas,  estão 'enfeitando' dia e noite um espaço público  bonito bem cuidado; o espaço em frente ao terminal Hidroviário (imagem abaixo) é costumeiramente ocupado por donos dos pula-pulas que, após cada dia de trabalho é desmontado e 'jogado' em cima do banco de um pergolado ali perto.


Caminhando-se pela Orla sentido Porto da Balsa, os 'enfeites' se sucedem em uma progressão horrenda; na antiga Sonda, é uma antevisão do que ainda tem por vir em termos de feiura 'arquitetônica'...

Adicionar legenda



O espaço destinado para caminhada, descanso ou para a simples  e bela contemplação do rio Tapajós, está quase que tomado por essas barracas.

Porém, não são somente essas barracas que estão tomando posse do espaço público, pois carros de vendas de sorvetes ficam eternamente estacionados na Orla, assim como um outro veículo de assistência para artigos eletrônicos; os taxistas que ficam à espera das embarcações, apesar de terem dois locais próprios para estacionamento,  ocupam todas as vagas existentes a partir da Barraca de Eventos. Mas vá lá estacionar em uma das vagas deles....
Esses dois veículos se apossaram de parte do
estacionamento na Orla
 Porém, como se ainda fosse pouco, apareceram os hippies fedorentos, sujos e mal encarados para ocuparem a calçada com seus panos de produtos, impedindo o ir e vir dos transeuntes, que são forçados a caminhar sobre a via dos ciclistas.
Área da Sonda
Entretanto, vale ressaltar que essas ocupações não são de hoje; lembro-me que quando aqui cheguei em novembro/93, em frente à casa do 'povo', havia uma espécie de favela que às vezes se fazia de bar, mas que na calada da noite, servia para todo tipo de atividades ilícitas. Foram retiradas aquando da revitalização da Orla.


Mas apesar de todo o esforço feito naquela época para se manter a Orla com visual limpo, hoje, sabe-se que por falta de pulso dos governos municipais posteriores, as invasões voltaram e para ficar, pelo que parece, e com todo tipo de tranqueira imaginável.

A Orla de nossa cidade está ficando tal qual a praça do Cidadão logo após inaugurada: tomada por toda sorte de barracas. Hoje, é um local sem visitantes!

Mas quem dera se essa ocupação ocorresse apenas e tão somente na Orla. A praça do Congresso, àquela da pomba, é outro 'belo' exemplo de ocupação do espaço urbano público; ali tem barraca de lona de venda completa, com freezer ligado à energia elétrica (não se sabe com autorização de quem, pois, até onde se sabe, a Celpa faz apenas ligações temporárias; mas aberração por aberração, tem essa ocupação do coreto da praça do Congresso (imagem abaixo), onde o 'dono' do pedaço acorrentou seu carrinho à entrada do coreto para 'garantir' seu espaço. Mas ele tem seus defensores. Para o espaço público para que não há interessados em defendê-lo. Aliás, só o setor de fiscalização da PMI que não vê essas coisas?


As 2 barracas 'estacionadas' na
calçada à espera do horário
noturno na Orla.
Voltando à Orla. Às proximidades da Sonda diversas barracas estão diuturnamente apinhadas embaixo da mangueira e ao redor, vendendo diversos produtos; o chafariz, que há muito perdeu seu encanto, agora perdeu sua visão.

Mas perto desses locais acima narrados, o inferno propriamente dito fica às proximidades do box de venda de passagens da balsa que faz a travessia do rio Tapajós, na margem direita; ali estão as piores barracas; uma que se fixou ao calçamento da calçada; diversas pessoas que se alternam entre ingerir cachaça  e molestar quem ali fica à espera da travessia da balsa. Precisa-se, urgente, urgentíssimo, da presença do setor de Saúde e de Assistência Social da PMI, sendo que o primeiro é para fiscalizar a manipulação de alimentos e, a segunda, procurar dar um jeito nessas pessoas que sofrem de alcoolismo.

Porém, nem tudo são más notícias. Esses dias o amigo Hélio Silva, da SEMINFRA, estava em reunião com os vendedores para que, juntos achassem uma solução para deixar a Orla bem mais atrativa.  O público em geral, agradece.



Ah, antes que alguns venham dizer que os ocupantes irregulares das calçadas e passeios públicos precisam ganhar o seu pão de cada dia, vejam o exemplo de D. Joaquina e de D. Terezinha (imagem acima), que há muitos anos usam o espaço em frente ao Hidroviário, mas todas as manhãs esse mesmo local está sem as barracas/carrinhos das duas exemplares senhoras!

Abaixo, algumas imagens da Orla para ilustrar a presente postagem.
Menino Jesus vandalizado na Orla

Praça do Congresso ocupada

Carro de sorvete e freezer, ocupando eternamente o estacionamento 
Barraca de tiro ao alvo. Falta a PMI acertar esse alvo!



Adicionar legenda

Espaço ocupado à noite pelas senhoras Joaquina e Terezinha

Este abusou da cara de pau e enterrou sua venda ali

Uma horrível visão do rio Tapajós

Praça do Congresso foi loteada




Reações:

12 comentários:

NC Machado disse...

a prefeitura municipal de Itaituba através do prefeito Valmir Clímaco precisa tomar providências com urgência respeito de tudo isso foi postado pelo jornalista Norton Sussuarana

Unknown disse...

Faz algo em benefício a sociedade!

Em meio ao grande desemprego que passamos no nosso país! Ao invés de apontar trabalhadores que estão lutando pelo seu sustento!

Aponte uma possivel solução!

Além de texto péssimo e mau redigido! O cara se incomoda até com os hippies!

Os taxistas e o dois veículos que estão em via pública seu mau informado pagam impostos!

Vai se informar seu bairro!!!

Unknown disse...

Mostra q tem credibilidade e aprova esse comentário!!

Muito provável q não tenha nenhuma credibilidade perante a sociedade!

Forte abraço!

Marcos disse...

Meu irmão então vc tem dá um emprego digno pra cada um q vc diz ser dono da cidade em vez de tu ta críticando,pois só vejo pai de família querendo tirar seu sustento

Marcos disse...

Meu irmão então vc tem dá um emprego digno pra cada um q vc diz ser dono da cidade em vez de tu ta críticando,pois só vejo pai de família querendo tirar seu sustento

Norton Sussuarana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Norton Sussuarana disse...

Caro amigo Machado, o Diretor de Urbanismo da PMI, sr. Hélio Silva, já fez uma reunião com os vendedores para que se ache uma solução para essa feiúra que se tornou nossa Orla.
E obrigado por acompanhar o blog.

Norton Sussuarana disse...

Caro desconhecido, obrigado por seus comentários; pena que você não se identificou. Mas vamos lá. Em primeiro lugar, leia com atenção minha postagem e procure analisá-la, bem como apontar os erros da postagem. Ou seja, apresente uma solução. Porém, sei que não terás como fazer isso, vou te ajudar: os taxistas estão ocupando espaço de carros privados (se você tem um veículo, procure estacioná-lo em local destinado aos taxistas), que também pagam impostos, e bem mais caros que os dos taxistas. Quanto aos vendedores, não estou criticando quem está trabalhando, mas a ocupação desordenada do espaço público; veja as senhoras que vendem comidas em frente ao hidroviário, d. Joaquina e d. Teresinha, duas senhoras que há muito tempo fazem daquele local seu trabalho, mas após findo o trabalho, elas recolhem suas barracas/carrinhos. Então, por que outros vendedores também não podem fazer o mesmo e deixar a Orla com seu visual limpo? Ah, para seu conhecimento, a PMI já fez reunião com os vendedores para que se ache uma solução. Quanto a credibilidade, você não sabe o que isso significa, pois que não tem coragem de se identificar. Quanto aos dois carros que ali estão eternamente estacionados, o imposto que eles pagam não é para ocupar o espaço público, Procure se informar mais para não vir aqui destilar sua raiva à toa.

Norton Sussuarana disse...

Caro Marcos, não estou criticando quem está trabalhando, mas falo da ocupação desordenada do espaço público; veja as senhoras que vendem comidas em frente ao hidroviário, d. Joaquina e d. Teresinha, duas senhoras que há muito tempo fazem daquele local seu trabalho, mas após findo o trabalho, elas recolhem suas barracas/carrinhos. Então, por que outros vendedores também não podem fazer o mesmo e deixar a Orla com seu visual limpo?

Obrigado por seu comentário.

Carlos railer disse...

Represento a vancentercell
Vamos lá.

O manual Brasileiro de fiscalização de trânsito.vol 1. Regulamentado pela Resolução 371/2010 do Conselho Nacional de trânsito COTRAN, "eatabelesse ainda que o simples abandono de veículo em via publica(Que não é o caso aqui) estacionado em local NÃO PRPIBIDO PELA SINALIZAÇÃO, não caracteriza infração de trânsito, assim, NAO HA PREVISÃO PARA SIA REMOÇÃO POR PARTE DO ÓRGÃO OU ENTIDADE EXECUTIVO DE TRÂNSITO COM CIRCUNSCRIÇÃO SOBRE A VIA.

Escolhemos a orla da cidade por ter uma boa movimentação, sendo assim mais seguro de se trabalhar! Estamos dando uma opção a mais pra população em geral que podem vim precisar de nossos serviços em horários Onde lugar algum se encontra assistência aberta para solucionar os problemas. Sendo que celular e utilidade.

Não somos donos da cidade como tá descrito na matéria, muito menos estamos atrapalhando o trânsito ou ocasionando risco pra sociedade!

Se estivemos errados vamos nos regularizar com toda certeza!

Essa ideia inovadora tem ajudado muitas pessoas que não tem tempo para ir durante o dia em uma assistência ou pessoas que estão apenas de passagens pela cidade.

Carlos Railer disse...

Agradeceremos se retirar a foto na qual expõe nossa empresa!

Sendo que nossa Van não condiz com a descrição de suas denúncias!

Se precisar de nossos serviços estaremos por aqui para lhe atender!

Desde já obrigado!

Norton Sussuarana disse...

Caro senhor Carlos, seu carro está cometendo duas irregularidades.
A 1a é pelo fato de estar estacionado errado, pois ali o estacionamento é em 45 graus em relação ao calçamento, mas seu carro esta na perpendicular.
2 - Conforme o art. 6o da Resolução 302, seu carro não é veiculo especificado em tal Resolução (policial, ambulância, etc). Potanto, o senhor esta privatizando um espaço público. Que fique claro que minha postagem não é contra nenhum tipo de atividade lícita, que gera renda e emprego, mas contra a ocupação desordenada do espaço ali na Orla.