9 de junho de 2018

ITAITUBA/PA - ESCLARECIMENTOS DA EMPRESA CELPA. QUE É A MESMA COISA QUE NADA!

Após publicar uma nota no Facebook em minha página pessoal (imagem ao lado), com o título 'PURO ROUBO' acerca de notícia veiculada na segunda edição do Jornal O Liberal em 07/06/2018 dando conta de que a Celpa é a campeão brasileira em termos de reclamações no Procon, bem como, apesar da redução do consumo de energia dos paraenses a empresa teve um acréscimo de 50% em seu lucro nos últimos cinco anos, apesar do IPCA acumulado no mesmo período ser de 31,49%*.

Os comentários são unânimes quanto à vilania da Celpa!!

Pois bem, por quê foi colocado este título em minha postagem no Facebook? Ora, eu mesmo já fui vítima de roubo pela Celpa por duas ocasiões. A primeira em setembro/2015, quando estava em Belém para procedimento cirúrgico, apareceram dois vagabundos (um é conhecido por Joilson) dizendo que havia um desvio de energia. Após falar por celular com um dos meliantes, disse que era para ele fazer o procedimento. Meu susto foi receber em 2016 um Termo de Ocorrência e Inspeção-TOI onde constava que eu Norton Sussuarana, apesar de estar em Belém, recusei-me a assinar o documento, não solicitei a perícia e nem pedi levantamento de carga. Após 'constatado' o desvio de energia, foi feita a troca do medidor. Porém, meu consumo diminuiu. Recorri administrativamente junto à Celpa, juntando passagens no trecho Itaituba-Belém-Itaituba, atestado médico de anestesiologista de Belém datado de 22/09/2015 (data da visita da CELPA) e, o mais importante, o Histórico de consumo atestando a diminuição de meu consumo após a troca do medidor. A Celpa não aceitou meus argumentos. Para a empresa, eu simplesmente roubei energia e pronto! Esta multa é de quase R$1.600,00

O segundo caso, agora não recordo o nome dos dois pilantras, se deu quando, no 'olhometro', o fiscal disse que a bobina de meu contador estava com problema. Após a subida desse na escada, perguntei se o lacre estava violado, tendo um 'não' como resposta. Porém, ao ler o TOI, não constava esta informação, motivo pelo qual me recusei em assinar o TOI (logo em seguida foi ao escritório da terceirizada - CGB -, e informei o ocorrido, inclusive com vídeo; o gerente da empresa, Rodson, disse que é obrigação do fiscal colocar todas as informações repassadas pelo consumidor; declarou que iria tomar as providências quanto ao meu caso. Recebi uma multa de mais de R$3 mil. 

Recorri via Procon, mas abateram somente uma multinha besta de uns R$300,00.

As duas ações acima, estão na Justiça

Recorrer, para quê, se você nunca tem razão?

Procurar o PROCON? Não perca seu tempo!

Ah, conforme a Aneel**, a CELPA  é a 9ª empresa, conforme o DGC (Indicador de desempenho global de continuidade), consiste na média aritmética simples das razões entre os valores apurados e limites anuais dos indicadores DEC e FEC.

Estes dois relatos têm muita semelhança com outras reclamações contra a CELPA; em janeiro veio em minha fatura um parcelamento que nunca solicitei e nem sei do quê se trata!
E, apesar de tentar de todas as formas economizar energia, minha fatura oscila entre R$500,00 e R$600,00 por mês. Vale ressaltar que meu portão elétrico não funciona há quase um ano e não uso nem 10% da bomba d'água, pois agora utilizo água da Cosanpa. Mas o consumo não diminuiu. E, se diminuir, a Celpa tasca uma multa dizendo que estou roubando energia!!!!

Por mim, a Celpa pode mandar quantos esclarecimentos quiser que serão publicados, mas não tem como negar o grande roubo que os itaitubenses estão sofrendo.

Abaixo, a íntegra da nota da Celpa, enviada por sua Assessoria de Comunicação que, para mim, não quer dizer nada, pois é de conhecimento de todos o eterno vagalume que é nossa energia:

"A Celpa esclarece que a diminuição no consumo de energia não é uma realidade apenas do Pará, mas sim de todo o País, visto que a crise econômica moderou o consumo nas residências, industrias e comércios de todo o Brasil. 

Já o faturamento evoluiu na mesma medida dos reajustes na tarifa de energia, definidos pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), e que, na média, superaram os 50%, não só no Pará, mas em todo o País. Do faturamento total da Celpa, 75% são repassados aos governos federal, estadual e municipal para pagamentos de impostos (PIS, Cofins, CIP, encargos setoriais, etc.) e para a compra de energia. 

Sobre as reclamações no Procon, o número de atendimento no Procon totalizou 9.331, desses, 1.053 passaram para a fase de Carta de Informação Preliminar (CIP) e somente 29 processos foram considerados pelo Procon como reclamações fundamentadas, o que significa 0,31% de todos os atendimentos realizados pelo Procon Estadual. 

Considerando que em 2017 o número de serviços realizados pela Celpa foi de 75.630.528, o número de processos fundamentados no Procon representa 0,0000004% neste cenário. É importante ressaltar que nos últimos cinco anos, foram investidos mais de R$3,5 bilhões em ações de expansão, melhoria do sistema e atendimento ao cliente. 

Este investimento possibilitou a evolução de 27 posições no ranking Aneel que mede a qualidade do fornecimento das distribuidoras de todo o País. A Celpa que em 2012 ocupava última posição deste ranking, hoje figura na 8ª posição, a empresa com a maior evolução neste período. Este resultado só foi possível pelos robustos investimentos – 124 subestações construídas ou ampliadas, Interligação da Ilha do Marajó ao Sistema Interligado Nacional (SIN), criação do Centro de Operações Integradas, além das manutenções diárias no sistema elétrico-, que diminuíram a quantidade de horas que o paraense fica sem energia (DEC), cuja redução já foi de 73% nos cinco anos que a Celpa atua sob nova gestão; e ao número de vezes em que ocorrem interrupções do fornecimento de energia (FEC), onde a redução chegou a 65%. 

Outro indicador importante da Aneel também mostrou um cenário favorável para a concessionária paraense. 

Em 2017, no índice Aneel de Satisfação do Cliente - IASC, que avalia a percepção dos clientes em relação aos serviços da empresa, a Celpa obteve o melhor resultado dos últimos seis anos. 

A empresa se estruturou e montou um grupo de trabalho envolvendo diversas áreas, com ações consistentes focadas na melhoria efetiva do IASC com uma excelente evolução de 37,50%, atingindo a pontuação de 48,77. Com essa nota, a Celpa ultrapassa a média da região se tornando a 3ª melhor distribuidora do norte do Brasil."


*https://br.advfn.com/indicadores/ipca
** http://www.aneel.gov.br/ranking-2011?inheritRedirect=true

Reações:

0 comentários: