2 de março de 2018

SAUDADES DA DILMA❗

Pintou uma saudade da Dilma…nunca haverá ninguém como ela!

Foi a Gilda da política brasileiraO presidente Michel Temer e a ex-presidente Dilma Rousseff
Foto: Lula Marques/Agência PT - 11.ago.2015


Puxa vida…estava vendo uma solenidade estes dias no Planalto e o presidente Temer falando aquelas frases escorreitas todas, trajando seu impecável e absolutamente previsível terno escuro, pronunciando um ainda mais ameno e racional discurso do começo ao fim. 

O único traço de alguma surpresa é um movimento circular, ainda assim tímido e contido, que ele costuma fazer com a mão direita. No mais, nenhuma adrenalina. Nada de vertigens ou perplexidade para realmente compreender o que ele quis dizer.

Daí, confesso, senti uma enorme saudade da president-A Dilma. Aquelas é que eram cerimônias! Aquilo sim era produzir acontecimentos. Até hoje não consigo entender direito porque a imprensa implicava tanto com ela: logo ela que era tão criativa, tão curiosa, uma fonte inesgotável de notícias! Com Dilma, o Palácio era um parque temático e não esse mausoléu de manchetes em que Temer o transformou.

Você ligava a televisão e a grande president-A estava estocando o vento. E desenvolvia durante minutos a ideia de estocar vento diante da plateia e do país. Os inimigos faziam picuinha, mas isso mostrava que ela estava noutra frequência, na estratosfera política. Temer…Temer não consegue tirar os pés do chão, o chão do pragmatismo, da lógica, da linearidade. Aí as cerimônias ficam muito chatas, com todo respeito.

Uma semana no palácio de Dilma podia ter de tudo: ai que saudade dela explicando que é a mosquita, e não o mosquito, que pica! Os 30% do pré-sal perante o Congresso, a chuva em São Paulo. “Tem hora que quem tá na chuva não quer pegar chuva. Então…é essa contradição sempre”. O famoso discurso da mandioca. “Vamos saudar a mandioca”. O resgate cultural da mandioca e toda simbologia histórica com nossas raízes indígenas é um capítulo que será melhor entendido na medida em que os séculos passarem e seu lugar em nossa trajetória como nação ainda será valorizado.

Dilma era trio elétrico, Temer é bossa nova: um banquinho, um violão e um samba de uma nota só. Que estouro foi o hit da president-A quando ela dobrou a meta! Que sentimento geral de queixos caídos aquela frase provocou: dobrar a meta do que? Era algo tão sublimemente abstrato que gerava inquietação, reflexões, pausa para pensar. Nada disso ocorre com Temer. Ele é tão literal, tão retilíneo, tão auto-explicativo que chega a ser redundante.

Eu sei que no fundo, no fundo, você também sente o mesmo: uma saudade da Dilma, da vez que ela falou da mulher sapiens, daquele raciocínio do ninguém ganha, ninguém perde. Só posso terminar esse artigo com um plágio, lembrando a deslumbrante Rita Hayworth em seu papel como Gilda. Sempre se diz que nunca haverá outra mulher como Gilda. Nunca haverá uma president-A como Dilma.

Gostou? 

Autores

Mario Rosa, 53 anos, é 1 dos mais renomados consultores de crise do Brasil. Pede que em sua biografia seja incluído o fato de ter sido jurado de miss Brasil e ter beijado o manto verde-rosa da Estação Primeira de Mangueira. Foi o autor do prefácio do primeiro plano de gerenciamento de crises do Exército Brasileiro. Atuou como jornalista e consultor. Escreve para o Poder360 semanalmente, às segundas e sextas-feiras.

Reações:

0 comentários: