30 de janeiro de 2018

DOCE VIDA - PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PODERÁ ENTREGAR CASA COM TV, GELADEIRA E FOGÃO!

Unidades do Minha Casa, Minha Vida poderão ser entregues com eletrodomésticos
Tâmara Freire (AGÊNCIA BRASIL)
Resultado de imagem para IMAGENS DO MINHA CASA, MINHA VIDA

A Caixa Econômica Federal está estudando a inclusão de geladeiras, fogões e aparelhos de televisão dentro dos apartamentos construídos pelo Programa Minha Casa, Minha Vida.

A informação foi dada hoje pelo presidente da Caixa Gilberto Occhi durante a entrega de 800 novas habitações do Programa Minha Casa, Minha Vida no bairro de Jacarepaguá, zona oeste do Rio de janeiro.

Com isso, as pessoas beneficiadas vão poder pagar pela casa própria e também pelos eletrodomésticos numa mesma prestação. A declaração foi dada por Occhi depois de um pedido público feito pelo prefeito do Rio Marcelo Crivella.

O governo investiu R$ 60 milhões no empreendimento que se junta a outras 156 mil unidades já entregues no estado do Rio e 62 mil na capital. O encerramento da cerimônia foi feito pelo ministro da secretaria geral da presidência da República Moreira Franco que veio ao Rio representando o presidente Michel Temer.

Outras 520 unidades do residencial vila Carioca ainda estão sendo construídos e serem entregues no próximo mês. Os apartamentos de dois quartos são destinados a famílias com renda de até mil e 800 reais e o condomínio dispõe ainda de parque infantil , área de lazer, quadra de esportes e centro comunitário.

Nota do BlogUm levantamento feito pelo governo federal mostra que 25% dos beneficiários do programa ‘Minha Casa, Minha Vida’ de renda mais baixa, não estão pagando as prestações dos imóveis. Um em cada quatro está inadimplente. No fim das contas, essas pessoas podem perder o imóvel por causa de uma prestação de valor baixo, de menos de R$ 30 por mês.

Esse é um dos problemas, mas têm outros.

Além da falta de pagamento, o governo suspeita que alguns beneficiários tenham alugado, o que é proibido, ou até vendido o imóvel. O governo vai fazer uma campanha para que os beneficiários do programa com prestações em atraso regularizem o pagamento. 

A inadimplência nesse tipo de moradia é alta (25%), mesmo com o valor da mensalidade na média de R$30,00; muito das vezes não contempla quem realmente precisa. O governo está cruzando informações do beneficiário do programa com a conta de luz, por exemplo, e já encontrou casos em que a conta vem em nome de outra pessoa, o que pode indicar que o apartamento foi alugado ou vendido. Se essa suspeita for comprovada, a pessoa vai perder o imóvel.  Precisam voltar a pagar as prestações e tentar refinanciar os valores atrasados. Caso contrário, poderão não receber a escritura do imóvel no final do contrato. (Com informações do G1)

Reações:

0 comentários: