2 de outubro de 2017

BRASIL - CENSO AGROPECUÁRIO COMEÇOU HOJE. VISITARÁ 5,3 MILHÕES DE PROPRIEDADES

Após meses de intensa preparação, o Censo Agropecuário 2017 começa nesta segunda-feira, 02/10, a sua fase de coleta de dados por todo o Brasil. A expectativa é de que os mais de 18 mil recenseadores do IBGE visitem todos os estabelecimentos agropecuários do país, estimados em cerca de 5,3 milhões, entre outubro deste ano e fevereiro de 2018.

O lançamento nacional da pesquisa será às 10h desta segunda-feira, na sede do IBGE, no Rio de Janeiro, com a presença do Presidente do IBGE, Roberto Olinto, e diretoria, marcando o início do período de coleta. São esperados, também, os ministros do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, da Agricultura, Blairo Maggi, e o ex-presidente do IBGE e atual do BNDES, Paulo Rabello de Castro.

Como serão 5 meses de pesquisa, nem todas as áreas serão visitadas logo na primeira semana. A expectativa é que isso ocorra progressivamente conforme os recenseadores avancem nos seus setores censitários.

O Gerente Técnico do Censo, Antônio Florido, destaca a importância do IBGE formar um bom relacionamento com os produtores agropecuários, uma vez que são eles os responsáveis por fornecer os dados necessários para a construção de estatísticas adequadas e relevantes para a sociedade brasileira e o planejamento de políticas públicas.

“O dado não é do IBGE. O dado é do informante. Quanto melhor a informação dada ao IBGE, melhor será a estatística que o IBGE vai disponibilizar para a população como um todo. Então, quanto melhor a gente conseguir chegar ao informante, melhor será a informação dada. O IBGE não constrói dado, o IBGE constrói a estatística com base no dado informado pelo informante”, ressaltou Antônio Florido.

A Coordenadora Operacional de Censos, Maria Vilma Sales Garcia, ressalta que as diferenças entre as regiões de um país continental como o Brasil são as maiores dificuldades no planejamento e na execução de uma pesquisa desta proporção.

“A diversidade regional é bastante complicada. É muito mais fácil entrevistar estabelecimentos da região Sudeste, como no Rio de Janeiro, em São Paulo. Visitar municípios do Amazonas, Pará, exige mais disponibilidade porque as formas de acesso são muito diferentes. No Norte, você precisa alugar barco, alugar avião, tem as áreas indígenas, as áreas em que há conflitos de terra. A dificuldade maior é a diversidade geográfica”, explica a responsável pela operação do Censo, que envolveu a contratação de mais de 26 mil pessoas.

Mais de 18 mil recenseadores vão a campo coletar as informações.

O objetivo do Censo é mostrar a realidade da produção agropecuária brasileira, algo que não é amplamente realizado há 11 anos, quando ocorreu a última edição da pesquisa. O IBGE realiza outros levantamentos, como a Produção da Pecuária Municipal, a Produção Agrícola Municipal e as Trimestrais da Agropecuária: o Censo, no entanto, é a única que recolhe dados de todos os estabelecimentos produtores, além de servir como subsídio para as outras. Por isso, tem a abrangência de um retrato do campo brasileiro.

“O resultado de um censo fica velho? O censo é uma fotografia, é um corte no tempo, é um marco histórico. Não fica velho nem desatualizado. Um marco histórico é um marco histórico. Uma foto no censo se transforma em números”, destaca Florido.

Identificação por QR Code

Uma das novidades deste Censo Agropecuário é a possibilidade de confirmar a identidade do recenseador através do QR Code que cada um deles levará no crachá, localizado no lado esquerdo do peito do colete. O código pode ser lido pelo celular e redirecionará diretamente para o site do IBGE, que fará a checagem.

No crachá também poderão ser encontrados outros dados, como o nome completo do recenseador, sua matrícula, identidade e validade das informações ali constantes, além da foto do agente de coleta.

O último elemento de identificação do recenseador é o DMC (Dispositivo Móvel de Coleta) que cada um deles estará portando no momento da aplicação do questionário. O dispositivo é obrigatório, pois é justamente nele onde os agentes registrarão os dados de cada estabelecimento, assim como o georreferenciamento de cada propriedade.

Uma das novidades deste Censo Agropecuário é a possibilidade de confirmar a identidade do recenseador através do QR Code que cada um deles levará no crachá, localizado no lado esquerdo do peito do colete. O código pode ser lido pelo celular e redirecionará diretamente para o site do IBGE, que fará a checagem.

No crachá também poderão ser encontrados outros dados, como o nome completo do recenseador, sua matrícula, identidade e validade das informações ali constantes, além da foto do agente de coleta.

O último elemento de identificação do recenseador é o DMC (Dispositivo Móvel de Coleta) que cada um deles estará portando no momento da aplicação do questionário. O dispositivo é obrigatório, pois é justamente nele onde os agentes registrarão os dados de cada estabelecimento, assim como o georreferenciamento de cada propriedade.

Calendário do Censo Agro
Coleta de dados: de outubro de 2017 a fevereiro de 2018
Apuração e análise dos dados: a partir de março de 2018
Divulgação dos resultados: a partir de maio de 2018.

Reações:

0 comentários: