11 de setembro de 2017

PARÁ - MARINHA JÁ PRENDEU QUASE 100 EMBARCAÇÕES IRREGULARES

Desde janeiro, 38 pessoas morreram. Foram 27 vítimas somente no naufrágio do navio Capitão Ribeiro, no rio Xingu, em agosto.

A Marinha do Brasil apreendeu 97 embarcações com algum tipo de irregularidade nos rios paraenses, somente em 2017. O dado foi divulgado nesta segunda-feira (11) em entrevista coletiva do Comando do 4º Distrito Naval. Desde janeiro, 38 pessoas morreram. Foram 27 vítimas somente no naufrágio do navio Capitão Ribeiro, no rio Xingu, em agosto.

No ano passado, mais de 130 embarcações foram apreendidas pela Marinha do Brasil. De acordo com o comando naval, o principal objetivo das ações de fiscalização é evitar acidentes nos rios do estado. “São mais de 54 mil embarcações. Todos os que estiverem irregulares serão apreendidos, juntamente com o Fórum de Segurança da Navegação”, disse o Almirante Edervaldo Abreu Filho, comandante do 4º Distrito Naval.

Outros 10 naufrágios também foram registrados este ano. Um deles, no último sábado (9), no rio Tocantins, próximo à Cametá. Um barco pequeno bateu em uma balsa e afundou. Ninguém se feriu.

Segundo a Marinha, o acidente aconteceu logo depois que o dono da embarcação pediu pra a filha de apenas 12 anos conduzir o barco. Ela teria perdido o controle da direção e acabou batendo na balsa.

Fiscalização
O Comando do 4º Distrito Naval, apreendeu desde a última quinta-feira (07) três embarcações irregulares durante ações de patrulha e inspeção nos rios do Pará. Um homem foi preso; ele era comandante de uma embarcação e não apresentou nenhum documento de habilitação, nem mesmo autorização para transportar passageiros.

As embarcações apreendidas foram a “Arca de Noé”, o ferry boat “Graças de Deus” e o barco pesqueiro “Comandante Pires”.

O “Arca de Noé” mesmo com aparência desgastada, levava uma moto e 22 pessoas sem colete salva vidas, quando foi apreendido, em Portel, no Marajó. Alguns passageiros estavam no compartimento de carga da embarcação.


Por  Gabriela Piran (G1)

Reações:

0 comentários: