27 de junho de 2017

CASO BLAIRRO - DESCARTADA DECOLAGEM DA FAZENDA DO SENADOR BLAIRO DE AVIÃO COM COCAÍNA. PILOTO MENTIU!

PF analisa GPS de avião interceptado com cocaína e descarta decolagem de fazenda dos Maggi
Delegado afirma que aeronave saiu de Cuiabá, foi à Bolívia e tinha como destino fazenda em Jussara, no noroeste de Goiás. Piloto disse em depoimento que mentiu à FAB sobre plano de voo.

Por Vanessa Martins, G1 GO

video
PF analisa GPS de avião interceptado com cocaína e descarta decolagem de fazenda dos Maggi

Após analisar o GPS do avião interceptado com 653 kg de cocaína, a Polícia Federal descartou a possibilidade da aeronave ter decolado da Fazenda Itamarati Norte, arrendada pela Amaggi, empresa da família do ministro da Agricultura Blairo Maggi, no Mato Grosso. O piloto Apoena Índio do Brasil Siqueira Rocha e o copiloto Fabiano Júnior da Silva Tomé estão presos na Polícia Federal, em Goiânia. Em depoimento à corporação, o piloto disse que mentiu sobre o plano de voo à Força Aérea Brasileira (FAB).

A Polícia Federal informou à TV Anhanguera que a aeronave saiu de Cuiabá às 4h de domingo (25) e chegou à Bolívia às 6h40. Ainda segundo a corporação, o avião decolou uma hora depois com destino a Jussara, no noroeste goiano, onde foi interceptado pela FAB.

Em depoimento à PF, o piloto da aeronave informou que receberia R$ 90 mil pelo transporte da droga. O detido disse ainda que relatou plano de voo falso à FAB, informando que estava fazendo um treinamento saindo de Cuiabá para a Fazenda Tucunaré. O condutor também admitiu à corporação que mentiu sobre plano de voo da volta ao Brasil, ao dizer que saíra de Fazenda Itamarati Norte.

Já o segundo detido alegou em depoimento à PF ser o proprietário da aeronave, informando a que teria comprado por R$ 500 mil no último dia 26 de maio, já tendo pago metade do valor em espécie. Ainda segundo relato do preso, ele receberia R$ 40 mil para fazer o transporte da cocaína.
Apoena Índio do Brasil e Fabiano Júnior da Silva presos pela Polícia Federal (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou ao G1 por meio de nota, que a aeronave está registrada no nome de Jeison Moreira Souza. O órgão relatou ainda que o piloto preso pela PF “possuía licença, estava com a habilitação válida e o Certificado Médico Aeronáutico (CMA) em dia”. Já o segundo preso não tem registro como piloto.

Até a publicação desta reportagem, o G1 e a TV Anhanguera não tinham conseguido informações sobre as defesas dos dois presos. À PF, eles informaram que não têm advogados.

Inicialmente, a FAB afirmou que o piloto da aeronave disse ter decolado da fazenda Itamarati Norte. No entanto, após serem presos, o piloto e o copiloto disseram à PF que saíram da Bolívia com destino a Jussara, sem passar pela propriedade.

Procurada novamente pelo G1 após as declarações do delegado da PF, a FAB informou que seu posicionamento permanece o mesmo que foi publicado em seu site na tarde de segunda-feira. A nota informa que "a confirmação do local exato da decolagem fará parte da investigação conduzida pela autoridade policial".

“A nossa detecção radar em toda a região do país, ela não consegue detectar aeronave no solo. Por isso que se faz uma interrogação do piloto. Se ele estiver utilizando o espaço aéreo brasileiro de acordo com as regras estabelecidas, logicamente que nós vamos saber que ele decolou de algum aeródromo”, disse o tenente Brigadeiro Gerson Machado, do comando de operações aeroespaciais da FAB.

O G1 solicitou posicionamento do ministério da Agricultura, mas não recebeu retorno até a publicação desta reportagem.

No entanto, por meio de seu perfil em uma rede social, o ministro Blairo Maggi já havia dito que "está acompanhando as investigações da FAB sobre o local de decolagem da aeronave". Ele disse que quando houver uma confirmação, ele informará. O ministro comentou ainda que a "fazenda é extensa e vulnerável à ação do tráfico internacional".

Já a Amaggi disse por meio de nota que "não tem qualquer ligação com a aeronave descrita pela FAB e não emitiu autorização para pouso/decolagem da mesma em qualquer uma de suas pistas".
Ministro da Agricultura Blairo Maggi se pronunciou sobre local de saída da aeronave (Foto: Reprodução/Twitter)
Interceptação e investigação

A aeronave, matrícula PT-IIJ, foi interceptada no domingo (25) na zona rural de Jussara, que fica a cerca de 225 km de Goiânia, no noroeste do estado. Os ocupantes fugiram do local, mas a droga foi apreendida pela Polícia Militar e levada para a sede da PF em Goiânia.

O piloto e o copiloto foram detidos pela PF na noite de segunda-feira (26). Eles foram presos em um hotel a cerca de 30 km do local onde a aeronave pousou.

O delegado da PF responsável pelo caso, Bruno Gama, informou que a corporação deve investigar o destino da cocaína apreendida.

"Vai ser apurado agora desde a propriedade da aeronave, quem seria o real proprietário dessa droga e qual seria o destino final da droga, pois há fardos indicando que podem ser outros estados ou até mesmo para o exterior. [Carregamento vale] aproximadamente R$ 20 milhões no território nacional. Quando a droga vai para fora o valor vai duplicar ou triplicar", afirmou o delegado.

Perseguição e apreensão

Ainda segundo o delegado, a Polícia Federal havia repassado informações sobre o carregamento de cocaína à FAB, que enviou um avião para fazer o acompanhamento da aeronave. A Força Aérea ordenou que o bimotor mudasse a rota e pousasse no Aeródromo de Aragarças, em Goiás. Inicialmente, o piloto obedeceu às ordens, mas ao invés de pousar, desviou o curso.
Imagem: http://noticiasaraguaia.blogspot.com.br
Com isso, o avião da FAB "executou um tiro de aviso" para fazer a aeronave cumprir as ordens. O órgão esclareceu que o disparo não atingiu nenhuma parte do bimotor. A aeronave então pousou na zona rural de Jussara. Na aterrissagem, a asa da aeronave e a cauda ficaram danificadas.
Avião com 634kg de cocaína é interceptado em Jussara, Goiás (Foto: Divulgação/PM)
Imagem: http://noticiasaraguaia.blogspot.com.br
O tenente-coronel da Polícia Militar Ricardo Mendes informou na segunda que a corporação foi acionada logo no início da interceptação. "O GRAER [Grupo de Radiopatrulha Aérea da PM] foi chamado pelo fato da aeronave já estar em espaço aéreo de Goiás e pela mobilidade do helicóptero da polícia de conseguir pousar em locais mais difíceis, coisa que o avião da FAB não conseguiria", informou Mendes.

O policial afirmou ainda que a cocaína encontrada era pura. "Ainda poderia ser misturada, e a quantidade, multiplicada. Essa foi a maior apreensão de cocaína da história por parte da PM em Goiás", disse.



As imagens mostram quando o GRAER sobrevoa a área em que o avião pousou. Em seguida, os policiais pousam no local e fazem a apreensão da droga. Na gravação, é possível notar que a cauda do avião se quebrou em virtude da aterrissagem.

PILOTO DO AVIÃO ERA CONHECIDO PELA OSTENTAÇÃO!

O piloto-ostentação e o dono-laranja do avião da cocaína
Autoridades investigam quem é o verdadeiro dono da aeronave
Por Silvio Navarro

Apoena Índio do Brasil, o piloto do voo da cocaína (Divulgação/Divulgação)

Apoena Índio do Brasil Siqueira Rocha, de 21 anos, era quem pilotava o bimotor Piper Aircraft 23 (matrícula PT-IIJ) interceptado pela Força Aérea Brasileira (FAB)com 653 quilos de cocaína em Goiás. Cuiabano, Apoena levava uma vida de ostentação — especialmente nas redes sociais. À Polícia Federal, Apoena disse que receberia 90.000 pelo transporte da droga e que, diferentemente do plano de voo informado à FAB, teria decolado na Bolívia e não de uma fazenda pertencente ao grupo do ministro Blairo Maggi.

Segundo a Polícia Federal, a carga de cocaína é avaliada em 13 milhões de reais. Também estava a bordo Fabiano Júnior da Silva.

 O QUE AS REDES SOCIAIS FALAM DO 'DONO' DO AVIÃO!!

Laranja – Já Jeison Moreira Souza, de 26 anos, que figura como proprietário da aeronave vive num bairro simples em Campo Grande (MS) com a mulher e informou à Justiça que trabalha como motorista. Conforme uma ação judicial recente, deve R$ 2.832,50 de aluguel. Como não compareceu às audiências de conciliação em maio, será despejado do imóvel.

Outro avião apreendido com cocaína, registrado em nome de piloto pobre.Jeison Moreira Souza, em cujo nome está registrado o avião que teria decolado de fazenda pertencente ao ministro Blairo Maggi, já foi autuado em 19/11/2011 por tráfico de cocaína. (PROCESSO: 549.01.2011.002317
No ORDEM:13.01.2011/000222 CLASSE:OUTROS CRIMES RELATIVOS A DROGAS - Lei no. 11.343/06 TERMO CIRCUNSTANCIADO:2011/428 JUSTICA PUBLICA:JUSTICA PUBLICA Autor do Fato:JEISON MOREIRA SOUZA E OUTRO VARA:JUIZADO ESPECIAL CIVEL E CRIMINAL). O que faz, afinal, o Departamento de Aviação Civil?


20 h · 
Amigos e Companheiros, não sei se há conexões, mas o dono do avião (Jeison Moreira Souza), apreendido na fazenda de Blairo Maggi comprou o aparelho em 2014 de "Antônio Marques Duartez", nascido e residente de Pedro Juan Caballero, que morreu num acidente aéreo em 2016, aos 24 anos de idade junto com "Mário Ney Chaves Pires", piloto brasileiro de 55 anos de idade e que foi alvo de CPI do narcotráfico. Ao que parece, Blairo Maggi nada tem a ver, em primeiro momento, com o esquema ilícito acontecido em sua fazenda. (Vander Neves).

Evidencias, evidencias por todos os lados. os links aqui carecem de checagem, mas são um belo indicio do Narco Estado
Jeison Moreira Souza, o piloto não tinha grana nem pra pagar aluguel (1) mas foi absolvido por trafico no tribunal de SP em 2011 (2) o avião que ele "conduzia" placa: PT-IIJ foi de um rapaz de 24 anos (3)que morreu de acidente de avião em 2016 juntamente com outro suposto chefe do trafico internacional (4).
Processo 0 803746-34.2017.8.12.0001 - Procedimento Comum - Cobrança de Aluguéis - Sem despejo
Reqte: Esdras Bucalon de Oliveira - Reqdo: Jeison Moreira Souza - Sueli de Freitas Braga
ADV: THALES MACIEL MARTINS (OAB 17371/MS)
I - Citem-se os Requeridos, por mandado, no endereço indicado a fls. 01/02, observando-se que JEISON MOREIRA SOUZA deverá ser citado na pessoa da segunda Ré (sua procuradora), para que apresentem resposta aos termos do pedido, observando-se que o prazo de defesa passará a fluir da audiência de conciliação, que designo para o dia 11 de maio de 2.017

PROCESSO: 549.01.2011.002317
No ORDEM:13.01.2011/000222 CLASSE:OUTROS CRIMES RELATIVOS A DROGAS - Lei no. 11.343/06 Publicacao Oficial do Tribunal de Justica do Estado de Sao Paulo - Lei no. Federal no 11.419/06, art. 4o 663 Disponibilizacao: Sexta-feira, 18 de Novembro de 2011 Diario da Justica Eletronico - Caderno Judicial - 1a Instancia - Interior - Parte III Sao Paulo, Ano V - Edicao 1078 TERMO CIRCUNSTANCIADO:2011/428 JUSTICA PUBLICA:JUSTICA PUBLICA Autor do Fato:JEISON MOREIRA SOUZA E OUTRO VARA:JUIZADO ESPECIAL CIVEL E CRIMINAL

Reações:

0 comentários: