18 de março de 2017

BRASIL - CARNE FRACA: EM QUEM CONFIAR?

FRIBOI + SADIA = CARNE FRACA

Produtos da marca JBS
Quando vi os primeiros noticiários acerca dos produtos usados pelos dois maiores frigoríficos brasileiros, e um dos maiores do mundo, para mascarar a podridão de seus produtos, pensei que se tratava de notícia da China, país campeão em usar produtos de baixa qualidade e cancerígenos em seus produtos para consumo animal, incluindo humanos.

Porém, quando 'caiu' a ficha, pensei logo no Tony Ramos, garoto propaganda da Friboy e no Luis Augusto, que era ridicularizado pela Sadia em sua propaganda da Perdigão.

Porém, brincadeiras à parte, esse escândalo está preocupando o governo brasileiro, que diz estar passando por uma grande crise econômica, mas não para de surgir novos casos, e esse é bem grave por atingir a tão debilitada saúde da população brasileira, que ainda se debate para controlar e convier com um surto de febre amarela. 


E conforme o G1, além de EUA e União Europeia, a China também pediu informações sobre o escândalo revelado pela Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, na sexta-feira. 

Segundo dados oficiais, 70% das aves consumidas no país asiático vêm do Brasil. Em entrevista ao GLOBO, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse que o embaixador do Brasil em Pequim, Marcos Caramuru, já prestou esclarecimentos ao governo chinês.

Blairo, que se reúne neste domingo com o presidente Michel Temer disse ainda que o objetivo do governo é atuar com maior rapidez e transparência possível para reduzir os danos que as irregularidades podem provocar em relação à compra de carne, sobretudo no exterior. O ministro, no entanto, já admite que algum prejuízo será inevitável.

Comunicado da JBS
A BrF também fez um comunicado acerca da Operação Carne Fraca. Para visualizar click aqui!

Agora ficou assim: Se é Friboy, é fria!, e S, de sujeira.

OPERAÇÃO CARNE FRACA

Trinta e seis pessoas foram presas durante a Operação Carne Fraca deflagrada pela Polícia Federal (PF), na sexta-feira (17). De acordo com a PF, até esta noite de sábado (18), duas ainda estão foragidas: o empresário do frigorífico Frigobeto, Nilson Alves Ribeiro - que estaria na Itália - e o filho dele, Nilson Umberto Sacchelli Ribeiro, diretor da empresa. Un s vinte

Ao menos 20 funcionários públicos foram presos pela Polícia Federal (PF) suspeitos de envolvimento na Operação Carne Fraca, que investiga a venda ilegal de carnes. Foram emitidos 38 mandados de prisão - 34 contra funcionários públicos. A operação apura o envolvimento de fiscais do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento em um esquema de liberação de licenças e fiscalização irregular de frigoríficos.

Além das prisões, a Justiça Federal determinou o bloqueio de até R$ 1 bilhão das contas bancárias das 46 pessoas investigadas, e o Banco Central informou o bloqueio de pouco mais R$ 2 milhões.

Não significa necessariamente que cada um dos investigados tenha R$ 1 bilhão. Este é um teto estipulado pela Justiça.

Segundo a Polícia Federal, fiscais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) recebiam propina para liberar licenças sem realizar a fiscalização adequada nos frigoríficos. A investigação indica que eram usados produtos químicos para maquiar carne vencida, e água era injetada nos produtos para aumentar o peso.

As carnes irregulares eram vendidas no Brasil e no exterior. Há também casos de papelão em lotes de frango e carne de cabeça de porco em linguiças.

Ao todo, 22 empresas são investigadas na operação, das gigantes JBS e BRF – que controlam marcas como Seara, Perdigão e Friboi – a frigoríficos menores como Master Carnes, Souza Ramos e Peccin.

As autoridades não detalharam quais irregularidades foram cometidas por cada empresa.

As empresas afirmam que estão colaborando com as investigações e negam adulteração nos produtos. Há ainda a suspeita de que os partidos PP e PMDB eram beneficiados com propina.

Veja as empresas que são alvo de busca e apreensão na operação Carne Fraca:
- Big Frango Indústria e Com. de Alimentos Ltda.
- BRF - Brasil Foods S.A.
- Dagranja Agroindustrial Ltda./Dagranja S/A Agroindustrial
- E.H. Constantino
- Frango a Gosto
- Frigobeto Frigoríficos e Comércio de Alimentos Ltda.
- Frigomax - Frigorífico e Comércio de Carnes Ltda.
- Frigorífico 3D
-Frigorífico Argus Ltda.
- Frigorífico Larissa Ltda.
- Frigorífico Oregon S.A.
- Frigorífico Rainha da Paz
- Frigorífico Souza Ramos Ltda.
- JBS S/A
- Mastercarnes
- Novilho Nobre Indústria e Comércio de Carnes Ltda.
- Peccin Agroindustrial Ltda./Italli Alimentos
- Primor Beef - JJZ Alimentos S.A.
- Seara Alimentos Ltda.
- Unifrangos Agroindustrial S.A./Companhia Internacional de Logística
- Breyer e Cia Ltda.
- Fábrica de Farinha de Carne Castro Ltda. EPP

Segundo a PF, os frigoríficos investigados usavam produtos químicos para “maquiar” carne vencida, injetavam água para aumentar o peso dos produtos e, em alguns casos, foi constatada ainda falta de proteína na carne. A PF, no entanto, não detalhou ainda em quais empresas foram encontradas as irregularidades. 
(OGlobo).

Agora, é rezar para que as cervejas não estejam 'batizadas'!

Abaixo, declaração de Tony Ramos sobre o escândalo, mesmo após divulgação de áudio confirmando que havia manipulação com carne proibida em diversos produto das duas marcas.

Tony Ramos fica desconcertado sobre caso de carnes podres e dá resposta enfática
Ator fez campanhas publicitárias para uma das grandes marcas frigoríficas do país. Presidente Michel Temer decidiu convocar reunião de emergência.

Ator Tony Ramos se pronuncia sobre caso das carnes podres
A crise provocada pela operação deflagrada por meio da Policia Federal e chamada de "Carne Fraca", continua repercutindo de forma exponencial em todos os cantos do país, principalmente, trazendo mais problemas ao governo do presidente da República, Michel Temer. Um dos garotos-propaganda de uma das marcas mais famosas do Brasil e que está envolvida nas investigações da força-tarefa da Polícia Federal que apura a venda de carnes estragadas, é o ator Tony Ramos. 

Ele se pronunciou sobre o caso, já que ele apresentou comerciais televisivos, em campanha publicitária em prol da marca Friboi, do grupo JBS. Tony Ramos se manifestou de modo totalmente "surpreso" quanto aos acontecimentos que envolvem a empresa e outras grandes marcas frigoríficas presentes no mercado brasileiro. Em uma entrevista à imprensa, o ator foi categórico: "Estou muito surpreso com essa notícia. Eu sou somente um contratado da empresa de publicidade e não tenho qualquer contato com o grupo JBS", desabafou o artista.

Tony Ramos ressaltou, porém, que confia na qualidade dos produtos pelos quais ele é garoto-propaganda e foi enfático em dizer que "não é técnico em se tratando do assunto que a Polícia Federal está realizando a ação, mas há um controle em todas as embalagens, inclusive, um código de barras em que as pessoas podem acompanhar a qualidade e a validade do produto", salientou o ator. O ator global disse também que continuará comprando os produtos da marca Friboi e que possui "carnes deles no freezer para os churrascos do fim de semana".
(Nota do Blog: Eu prefiro continuar comprando minha carne no supermercado Itafrigo!!)


- Especialista em Política


Reações:

0 comentários: