25 de janeiro de 2017

SANTARÉM/PA - PROFESSORA É VÍTIMA DE TORTURA. ACUSADA É A SENHORA MARILZA SERIQUE, EX-SECRETÁRIA ADJUNTA DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM!

Geuciane Nobre prestando depoimento na 16ª Seccional da Polícia Civil. Foto – Blog do Jeso
Uma professora da rede de ensino estadual e municipal em Santarém foi agredida, torturada e mantida em cárcere privada pela ex-secretária adjunta da Semed (Secretaria Municipal de Educação) no governo Alexandre Von (2013-2016) Marilza Serique.



O caso foi revelado hoje, 25, pela TV Tapajós (vídeo acima), afiliada local da Rede Globo, e teria sido registrado nesta quarta-feira na 16ª Seccional de Polícia Civil de Santarém.

A vítima - imagem extraída do Facebook

De acordo com a emissora, a agressão teria ocorrida ontem à noite, com participação da ex-secretária e mais 4 familiares dela.


A TV Tapajós não revelou o nome da vítima. Mas o blog apurou que se trata de Maria Geuciane Lopes Nobre.



Ela teria sofrido as agressões por tentar extorquir 2 mil reais do ex-vereador e professor aposentado Raimundo Navarro, esposo de Mariza Serique, conforme informação prestada à TV Tapajós.




A professora, além dos cabelos cortados a tesoura, socos, pontapés, tesouradas pelo corpo, relatou que recebeu cusparada na boca e obrigada a entrar em um veículo sob a ameaça de que seria morta.


Na estrada que dá acesso ao balneário de Pajuçara, ela teria sido abandonada.

As marcas da agressão no corpo da professora. Fotos – TV Tapajós


Na tarde de hoje, a vítima voltou à polícia para prestar depoimento ao delegado Herbert Farias Jr, responsável pelo caso. Segundo ele, os agressores serão os próximos a prestar depoimento.


Os acusados podem ser enquadrados nos crimes de tortura, cárcere privado, lesão corporal de natureza grave e roubo.


Neste link, a cópia do Boletim de Ocorrência, com nome de todos os supostos agressores.


Outro lado


O blog tentou contato com Marilza Serique, mas não conseguiu. Alcançou alguns de seus familiares, entre os quais o vereador Dayan Serique, mas eles não quiseram se pronunciar sobre o caso.


Reações:

0 comentários: