2 de janeiro de 2017

MANAUS/AM - REBELIÃO EM PRESÍDIO DEIXA 60 MORTOS

Dez agentes carcerários foram feios reféns, mas depois liberados; briga entre facções provocou rebelião

Bruno Tadeu , 
Especial para o Estado
02 Janeiro 2017


MANAUS - Um sangrento confronto de facções no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, em Manaus, deixou 56 mortos entre a tarde de domingo, 1, e a manhã desta segunda-feira, 2, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado do Amazonas. A rebelião durou cerca de 17 horas. Houve esquartejamentos e decapitações, informa a Polícia Militar. Esse é um dos maiores massacres dentro de presídio desde o Carandiru, em 1992, em que houve 111 mortos. 

No início da tarde, o governo havia informado que o número de vítimas era de pelo menos 60, mas o dado foi atualizado no começo da noite após a contagem final.

Durante a rebelião, dez agentes carcerários foram feitos reféns, mas posteriormente liberados. Os detentos do regime fechado haviam tomado a área dos presos no semiaberto, após abrirem uma passagem. Outros presos também foram feitos de reféns. Alguns dos liberados saíram feridos do complexo. A situação foi controlada por volta das 9 horas.
Foto: Reprodução/Twitter
Complexo Penitenciário Anísio Jobim, em Manaus

Segundo o secretário de Segurança, Sérgio Fontes, a carnificina se deu por conta de um confronto interno entre as facções Família do Norte e Primeiro Comando da Capital (PCC). Paralelamente à rebelião, 87 detentos fugiram de outra penitenciária na capital amazonense, o Instituto Penal Antonio Trindade (Ipat), também na tarde desse domingo. Oito destes já foram recuperados.

Epitácio Almeida, presidente da Comissão de defesa dos Direitos Humanos da OAB-AM, coordenou as negociações com os presos e trabalhou na libertação dos reféns, que foram soltos na manhã desta segunda. De acordo com ele, este é um dos piores massacres em presídio que já houve no País.

As informações ainda desencontradas a respeito da rebelião e das fugas geraram apreensão na cidade ainda na noite de domingo. Nas redes sociais, circulam vídeos e fotos de cadávares e corpos sendo decapitados. /COM AGÊNCIAS

Reações:

2 comentários:

Anônimo disse...

O site da globo já corrigiu o número de mortos para 56.
Mas na minha Humilde opinião, acredito que tem bem mais, pois tem muito preso "foragido" por aí. Quem sabe eles não se mataram pelo meio dessas matas one eles se encontram.

Norton Sussuarana disse...

Boa Tarde!
Caro anônimo, hoje vários jornais afirmaram que foram 60 mortos, pois na penitenciária vizinha morreram mais 4, além dos 56. Obrigado pela pela visita!