17 de novembro de 2016

JACAREACANGA/PA - VAZAMENTO DE ÓLEO REPERCUTE NA IMPRENSA NACIONAL

Vazamento de óleo é detectado no rio Teles Pires em Jacareacanga, no Pará
Mancha de óleo foi detectada no dia 13 de novembro.
Empresa afirma que situação da bacia já está normalizada.

Do G1 PA


Um vazamento de óleo foi detectado no último domingo (13) no rio Teles Pires, onde está sendo construída a Usina Hidrelétrica São Manoel, no município de Jacareacanga, na fronteira entre os estados do Pará e Mato Grosso. Aldeias indígenas próximas ao local teriam sido afetadas com o problema.
O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) informou que já tomou conhecimento e apura a situação no rio Teles Pires.
Em nota, a assessoria de imprensa da Empresa de Energia São Manoel esclarece que após a identificação do incidente, as aldeias indígenas mais próximas foram contatadas e estão recebendo o apoio necessário. A empresa afirma ainda que a situação da bacia já está normalizada, que não há mais manchas de óleo no rio e que está analisando as causas do ocorrido.

Vazamento de óleo mata boto e peixes no rio Teles Pires
Ainda não se sabe a causa do vazamento e sua extensão; 320 famílias moram na região e dependem da água do rio para viver

André Borges,
O Estado de S.Paulo
17 Novembro 2016

Foto: Terra indígena Caiabi
Boto foi encontrado morto por indígenas

Quatro dias depois de identificado um vazamento de óleo nas águas do Rio Teles Pires, na Amazônia, ainda não se sabe qual é a origem do problema ou sua dimensão, mas os estragos já começam a surgir nas águas do rio.
Indígenas que vivem na beira do rio, na divisa de Mato Grosso com Pará, têm registrado a ocorrência de mortandade de peixes e tracajás (espécie de cágado comum na Amazônia). Um boto morto foi encontrado por indígenas da terra indígena Caiabi. 
Equipes de saúde indígena ligadas à Secretaria de Saúde foram enviadas ao local. O Ibama também trabalha com agentes na região para identificar a causa do vazamento e sua extensão. Segundo relatos de agentes do Ibama e a concessionária Empresa de Energia São Manoel, dona da hidrelétrica que está em construção na área próxima ao vazamento, a mancha de óleo já teria se dissipado na água. 
Conforme noticiado pelo Estado, cerca de 80 famílias, aproximadamente 320 pessoas, moram em aldeias próximas à estrutura de São Manoel. A Empresa de Energia São Manoel tem enviado garrafões de água para as famílias indígenas, que dependem da água do rio para viver.
Pelo menos outros 900 indígenas vivem em aldeias a cerca de 60 quilômetros da usina. Mais abaixo ainda está a terra indígena mundurucu, onde vivem 8 mil pessoas.

Reações:

1 comentários:

Anônimo disse...

Meu Deus que desastre😱😱😱.
A e é MunduruKU😉