23 de novembro de 2016

ITAITUBA/PA - PM DE ITAITUBA PRESTA ESCLARECIMENTOS ACERCA DE ABORDAGEM EM JORNALISTA

Imagem: Facebook
No dia de hoje circulou, em rede de Whatsapp, uma notícia acerca de possível agressão do Grupamento Tático Operacional da Polícia Militar do Pará, aquando de uma abordagem ao jornalista Gecinaldo Sousa (imagem à esquerda), que estava na companhia de um sobrinho, carona na moto.
Relata o jornalista, conforme áudio enviado ao blog, que no início da tarde de hoje, às proximidades do Palácio Tapajós (Paço Municipal), foi abordado por policiais militares de forma acintosa, pois os militares saíram da viatura de arma em punho. 

Acha o jornalista que a abordagem deu-se em vista do volume que o celular fazia no bolso da calça de seu sobrinho, que se assemelhava a um cabo de revolver, conforme palavras de Gecinaldo.

Afirma o jornalista que tentou dialogar com os policiais, mas foi asperamente impedido e ao ser perguntado quem era pelos policiais, identificou-se como jornalista e servidor público municipal. Porém, foi-lhe ordenado que descesse da moto, apresentasse a documentação do veículo e, em seguida, foi feita a revista no jornalista Gecinaldo, momento que, devido a ser hipertenso, passou mal, ficando sem ar, mas sendo socorrido pelos policiais, que o levaram ao Hospital Municipal de Itaituba-HMI, quando foi reconhecido pelos atendentes (neste momento o jornalista sentiu-se constrangido com a presença dos PMs, pois percebeu que os policiais temiam que Gecinaldo fizesse algum relato ao pessoal do HMI sobre o acontecido com ele). 

Os policiais, enquanto se procedia o atendimento ao jornalista, ficaram às proximidades do HMI. Relata ainda que os policiais, preocupados com seu estado de saúde, dispuseram-se a levá-lo até sua residência, mas uma enfermeira do HMI, preocupada com a presença dos policiais, ligou para uma advogada, que acompanhou o jornalista na saída do HMI para que o mesmo procedesse abertura de um B.O. O jornalista ainda pediu orientações ao presidente da API, Orlando Pierre, e ao jornalista do SBT, Wellinton Lima, à procura de orientações de como proceder quanto ao ocorrido. Não se sabe se o jornalista fez o Boletim de Ocorrência e quais as orientações repassadas pelos citados jornalistas ao senhor Gecinaldo. 

VERSÃO DA POLÍCIA MILITAR

Diante dos fatos narrados acima, o Ten-Cel Robson, Comandante do 15º Batalhão de Polícia Militar de Itaituba, lançou nota em grupos de Whatsapp, esclarecendo sobre o ocorrido com o sr. Gecinaldo Sousa aquando da abordagem pela GU:

"Que, por volta das 13 hr do dia 23 de novembro do corrente ano, esta gu pm quando em rondas taticas pela cidade, avistou duas pessoas em uma moto pop 100 transitando sentido hugo de mendonça-paço municipal, sendo que o carona (tinha) um objeto preto protegendo com as duas maos na altura do umbigo, levantando a suspeita do mesmo esta portando arma de fogo; Que, devido aos inumeros roubos de celulares à transeuntes, esta gu pm efetuou abordagem padrao do gto. Apos os mesmos serem revistados e identificados, o piloto Gecinaldo Rodrigues de Sousa, informou ser profissional de imprensa e que estava muito nervoso por sofrer com problemas cardíaco; Que o mesmo, apos ser liberado, quando estava subondo em sua moto, começou a passar mal devido ao nervosismo, sentando-se lentamente ao solo; Quando prontamente a gu gto prestou atendimento, conduzindo-o no banco traseiro da vtr ate ao hospital municipal para atendimento medico; Que apos o mesmo ter sido medicado e sua situaçao estabilizada, esta gu retornou para o policiamento tatico.

[23/11 19:12] Ten Cel Robson: Pessoal sobre o caso do sr gecinaldo.

Penso que precisamos ser respeitados sim. Humilhados nunca pela PM. Mas também não devemos emitir juízo de valor sem conhecer os fatos.

Quantas vezes os srs e sras acham que as guarniçoes de Polícia fazem abordagens em pessoas suspeitas em itaituba. Quantas pessoas são desarmadas e apresentadas por causa dessas abordagens? Com armas de fogo, arma branca, drogas?

O que eu peço é que levem isso em consideração,as guarniçoes estão trabalhando para que pessoas de bem como vcs não sejam assaltafas ou até mortas. Então uma revista pode ser feita em qualquer pessoa desde que o policial tenha a fundada suspeita de que existe algo errado. Se não achar nada errado se dá o bom dia ou boa noite e explica-se que é o nosso serviço. 

Um cidadão de bem sendo abordado pela PM não é motivo pra se sentir humilhado ou coisa do tipo. Partimos do princípio que não está escrito que o sujeito e de bem ou não, o que acontece é que o cidadão assume posturas que podem ensejar o policial a aborda-lo. Somente isso.

Pessoal o lado certo é o lado de quem defende a sociedade como um todo. E penso que a PM está desse lado com muito orgulho.
Boa noite."

O blog está aberto para novos esclarecimentos acerca do ocorrido!

Reações:

3 comentários:

Anônimo disse...

O problema que hoje qualquer cidadão se ofende quando é abordado pela polícia. Quando ocorre uma revista policial não é acusação de crime como o policial viu que a pessoa aparentava portar um objeto que poderia ser uma arma de fogo. Em qualquer caso uma revista policial é pra própria segurança do cidadão.

Anônimo disse...

Nao achei errada a atitude dos policiais, que inclusive levaram o cidadao ao hospital.
Ja fui abordado pela policia em duas situaçoes e nao tive nada a temer ou ficar nervoso.

Anônimo disse...

Na minha opinião a policia sabe bem que São os bandidos da cidade , so q suspeitam de cidadão de bem ...kd as rondas nas pereferias da cidade lugares de linha vermelhas , policia e muito despreparada sim !