8 de agosto de 2016

BRASIL - PF INTIMA ESPOSA E FILHOS DE LULA

PF intima dona Marisa e filho mais velho de Lula para depor sobre sítio de Atibaia


Lava Jato ordenou também que donos Fernando Bittar e Jonas Suassuna sejam ouvidos em inquérito que apura corrupção e lavagem de dinheiro na compra e reforma da propriedade, com recursos desviados da Petrobrás

Julia Affonso, Ricardo Brandt e Fausto Macedo
08 Agosto 2016


Lula e Marisa. Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação
A Polícia Federal intimou a ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva e o filho mais velho do ex-presidente Lula, Fábio Luíz Lula da Silva, para prestarem “esclarecimentos” sobre a compra e reformas no Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), investigado pela força-tarefa da Operação Lava Jato, em Curitiba. Foram intimados ainda os donos oficiais do imóvel, os empresários Fernando Bittar e Jonas Suassuna – ambos sócios da família.

“Queira Sr. Escrivão intimar para prestar esclarecimentos acerca dos fatos investigados no presente IPL as pessoas de Marisa Letícia Lula da Silva, Fábio Luís Lula da Silva, Jornas Leite Suassuna e Fernando Bittar”, registra despacho do delegado Márcio Adriano Anselmo, do dia 4.


Lula é investigado em três inquéritos principais na força-tarefa da Lava Jato em Curitiba: um sobre a compra e reforma do Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), sobre compra e reforma do tríplex do Edifício Solaris, no Guarujá, e sobre recebimentos do Instituto Lula e da empresa LILS Palestras e Eventos – do ex-presidente.

Oficialmente Marisa Letícia e o filho não receberam a intimação, para que seja marcada uma data para oitiva. Nesta segunda-feira, o escrivão da PF informou nos autos que no dia 4 entrou em contato com o escritório do advogado Cristiano Zanin, que defende a família Lula, e comunicou a necessidade de intimar a ex-primeira-dama e seu filho Fábio Luis. Ele informou que nesta segunda fez novo contato telefônico com a defesa, mas não obteve retorno.

Denunciado
No Supremo Tribunal Federal (STF), ele foi denunciado há dez dias por tentativa de obstrução às investigações da Lava Jato, junto com o ex-senador e ex-líder do governo Delcídio Amaral. Os dois teriam tentado pagar para que o ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró não fizesse delação premiada.

A Lava Jato considera ter elementos para apontar que o sítio e o tríplex, apesar de estarem registrados em nome de terceiros, eram de Lula – beneficiário de recursos de propina da Petrobrás. Para os delegados e procuradores, a compra e a reforma dos imóveis envolveram empreiteiras do cartel que fatiavam obras na Petrobrás, mediante pagamentos de propinas para PT, PMDB e PP.

Laudo produzido pela PF, neste inquérito sobre o sítio, apontou que o imóvel foi reformado em duas ocasiões pelas empreiteiras OAS e Odebrecht, com a participação direta de outro alvo da Lava Jato, o pecuarista amigo de Lula José Carlos Bumlai.

A cozinha gourmet do sítio de Atibaia, por exemplo, custou R$ 252 mil, com reforma realizada em 2014. A execução da obra, diz o laudo, “foi acompanhada por arquiteto da empreiteira OAS, sr. Paulo Gordilho, e, segundo suas comunicações, com orientação do ex-presidente Lula e sua esposa”.

“Considerando os dados colhidos no âmbito da Operação Lava Jato, há elementos de prova de que Lula participou ativamente do esquema criminoso engendrado em desfavor da Petrobrás, e também de que recebeu, direta e indiretamente, vantagens indevidas decorrentes dessa estrutura delituosa”, afirmaram os procuradores da República, em manifestação apresentada ao juiz federal Sérgio Moro, em resposta à um pedido da defesa do ex-presidente para que o magistrado se julgue incompetente para o caso.

Reações:

0 comentários: