28 de abril de 2016

EDUCAÇÃO - INTELECTUAIS SÃO CONTRA BÔNUS POR MÉRITO PARA PROFESSORES!

Ah, mas que surpresa! Esquerdalha é contra bônus por mérito para professores!

Proposta está no documento “Travessia Social”, que vai orientar o governo Temer

Por: Reinaldo Azevedo

Alguém está surpreso? Cantei a bola aqui nesta manhã. A Folha foi ouvir sindicalistas e alguns “especialistas” em educação — que costumam achar, em suas pesquisas, aquilo que já haviam encontrado em seus preconceitos — sobre a proposta de pagar bônus por mérito a professores.

O documento “Travessia Social”, proposta pela Fundação Ulysses Guimarães para a gestão Temer, traz essa proposta.

Os companheiros petistas — e esquerdistas genéricos afins — são contra, claro!

Esquerdistas não reconhecem “mérito”, só luta. Sabem como é… Eles querem uma grande revolução no ensino — que não sabem qual é —, e, enquanto isso não acontece, inviabilizam qualquer reforma.

Para a casta sindical, o importante é manter o professor mobilizado e ganhando pouco. É a penúria da categoria que garante o poder dos valentes.
 
Abaixo, matéria sobre a proposta de Temer que se pague bônus por mérito para professores:

GOVERNO TEMER – Documento “Travessia Social” fala em bônus por mérito para professores e reforço à Lava-Jato

Texto, elaborado pela Fundação Ulysses Guimarães, serve também para desarmar as falácias do petismo

Por: Reinaldo Azevedo

Michel Temer tem agido com cautela e tem sido bem-sucedido em desarmar as bombas que o PT vai largando pelo caminho. A Fundação Ulysses Guimarães preparou um documento intitulado “Travessia Social”, composto de seis capítulos, que tratam basicamente, como diz o título, da manutenção e aperfeiçoamento dos programas sociais e da melhoria dos ministérios que têm influência direta no bem-estar da população, como o da Educação, por exemplo.

Nessa área, o documento propõe o pagamento de bônus para professores que melhorarem sua qualificação profissional e o desempenho dos alunos. Um documento voltado para essa área reserva, no entanto, um capítulo só para o combate à corrupção. Chama-se “A Regeneração do Estado”

O texto se compromete de modo explícito com a intocabilidade da Operação Lava-Jato, indo ao encontro das aspirações de muitos procuradores e policiais federais. Lá está escrito: “Apoiar a continuidade das ações da Operação Lava Jato e outras investigações sobre crimes contra o Estado é apenas o começo. É preciso mais”.

E documento lista medidas com as quais Temer se compromete:
– reforçar o papel institucional da Controladoria-Geral da União;
– assegurar recursos para a Polícia Federal e para a Receita Federal;
– reformar as regras da contratação de fornecedores estatais, priorizando a razoabilidade de preço e a transparência;
– nova legislação sobre o combate à corrupção.

É evidente que, em condições normais, um futuro presidente da República nem precisaria se comprometer com a continuidade da Lava Jato. Até porque inexistem caminhos hoje para alguma interferência indevida.

Mas não vivemos dias normais. O PT, um inimigo declarado da operação, saiu espalhando por aí que um dos objetivos de Temer e do PMDB é pôr freios na dita-cuja. Até parece que os petistas são seus fãs entusiasmados.

De volta à educação
O documento “Travessia Social” defende uma presença maior do governo federal no ensino básico. Não creio que seja essa matéria que vá levar as esquerdas para as ruas, não é mesmo?

Já o bônus por mérito costuma enfurecer a esquerdalha que aparelha os sindicatos dos professores. Se você quer deixar um esquerdista nervoso, fale de mérito e qualidade. Que o governo leve adiante o seu intento. A esmagadora maioria dos professores — e dos estudantes — é certamente a favor.

Reações:

0 comentários: