14 de março de 2016

PROTESTOS - AÉCIO E ALCKMIN SÃO HOSTILIZADOS!

Hostilizados, Aécio e Alckmin dizem que ficaram 'satisfeitos' com recepção na Av. Paulista

VITOR TAVARES - O ESTADO DE S. PAULO
13 Março 2016 | 19h 49 - Atualizado: 13 Março 2016 | 19h 57

Senador e governador tucanos foram hostilizados por um grupo de manifestantes neste domingo; PSDB nega que os dois desistiram de discursar


Durante o protesto na Avenida Paulita, o senador Aécio Neves e o governador Geraldo Alckmin foram saudados, mas também hostilizados pelos manifestantes


São Paulo - Hostilizados por um grupo de manifestantes durante o protesto deste domingo, 13, em São Paulo, o senador Aécio Neves e o governador Geraldo Alckmin ficaram "extremamente satisfeitos com a recepção da população", de acordo com nota divulgada pelo PSDB. Os dois foram alvo de palavras de ordem como "oportunistas", "ladrão" e "o próximo é você".

O PSDB também negou que os políticos desistiram de fazer discursos em um carro de som do Movimento Brasil Livre (MBL), um dos organizadores do ato na Avenida Paulista. A nota afirma que "nunca estiveram previstos discursos de qualquer um deles".

O senador mineiro e o governador paulista permaneceram no local por cerca de 20 minutos, cumprimentando e tirando selfies com alguns manifestantes. Apesar de alguns aplausos recebidos, um grupo direcionou o protesto aos dois, um por causa das denúncias envolvendo a merenda escolar em São Paulo, e outro pela citação de seu nome na operação Lava Jato.

Diante da manifestação, Aécio disse que "as citações têm que ser investigadas e elas estão desmontando porque são falsas". Das quatro citações feitas a ele por delatores no âmbito da Operação, três foram arquivadas. A mais recente teria sido feita na tratativa de delação do senador Delcídio Amaral (PT-MS), ainda não homologada. Já Alckmin ressaltou que a sua participação não compromete a relação institucional com o governo federal. 

A manifestação na Avenida Paulista reuniu 1,4 milhão de pessoas, segundo a Secretaria de Segurança Pública, e 500 mil pessoas, de acordo com o Instituto Datafolha. Os manifestantes, de forma geral, foram às ruas protestar contra a corrupção e pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff.

CONFIRA A ÍNTEGRA DA NOTA DIVULGADA PELO PSDB:
"O governador Geraldo Alckmin, os senadores Aécio Neves e Aloysio Nunes e demais lideranças do PSDB ficaram extremamente satisfeitos com a recepção da população que compareceu na Avenida Paulista neste domingo (13). Aécio e Alckmin foram convidados por movimentos sociais e entidades.

Nunca estiveram previstos discursos de qualquer um deles. É, portanto, mentirosa e equivocada a informação que eles desistiram de suas falas."

NOTA DO BLOG: Como fica a cara do pessoal que propaga ser a manifestação patrocinada pelo PSDB e, principalmente, por Aécio Neves?

Reações:

6 comentários:

Anônimo disse...

Uma minoria hostilizaram eles na avenida paulista, pelas imagens que vi na globo news, a maioria estava ali abraçando e tirando fotos com eles. Na entrevista do Aécio ele disse que não quer nada apenas o impeachment da Dilma e que a justiça casse a chapa da Dilma e do Temer, resumindo, quero assumir o país sim, ao contrário do que muitos dizem que não se tratar de uma briga partidária, talvez quem esteja nas manifestações pense dessa forma, mas todos sabem que se isso realmente acontecer o impeachment da Dilam e Temer, o único beneficiado com isso é o PSDB.

Anônimo disse...

O Aėcio é o maior bandido do Brasil. Cuidado povo brasileiro.

joao gaudencio sousa santos santos disse...

Realmente foi o melhor acontecimento das manifestações, ou seja, o povo está abrindo o olho para estes oportunistas e pilantras iguais aos outros, só querem saber do poder e NÓS NADA, FORA AÉCIO . LULA DILMA E OS PILANTRAS DO CONGRESSO.CONCORDO COM O ANÔNIMO AÉCIO É O PIOR BANDIDO DO BRASIL, ABRAM O OLHO.

Blog do Welbi disse...

Milhões de pessoas foram às ruas contra o PT, Dilma e Lula. Mas a imprensa precisa criticar os tucanos para parecer imparcial. Se alguns criticaram Geraldo Alckmin e Aécio, muitos outros os apoiaram por participarem do ato como cidadãos. O desgaste que o PT trouxe à classe política acabou afetando todos. Mesmo aqueles que nunca se envolveram em casos de corrupção, como o governador Alckmin.

Anônimo disse...

Aécio recebeu propina de Furnas, diz Delcídio em delação

MÁRCIO FALCÃO
AGUIRRE TALENTO
DE BRASÍLIA

15/03/2016 12h36Pedro Ladeira/FolhapressO presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG)

Em um dos termos de sua delação premiada, o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) afirmou que o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), recebeu propina de Furnas, empresa de economia mista subsidiária da Eletrobras.

A declaração de Delcídio confirmou depoimento prestado pelo doleiro Alberto Youssef, que também afirmou que Aécio recebia propina de Furnas, mas não houve abertura de inquérito para investigar o caso.

"Questionado ao depoente quem teria recebido valores de Furnas, o depoente disse que não sabe precisar, mas sabe que Dimas [Toledo, ex-presidente de Furnas] operacionalizava pagamentos e um dos beneficiários dos valores ilícitos sem dúvida foi Aécio Neves", disse Delcídio.

Ele afirmou ainda que o ex-líder do PP na Câmara José Janene, morto em 2010, também recebia dinheiro de Furnas.

O senador afirmou que Dimas possui "vínculo muito forte" com Aécio e que sua indicação para o cargo teria partido do tucano, junto ao Partido Progressista, na época da gestão Fernando Henrique Cardoso.

Delcídio relata um diálogo que teve com o ex-presidente Lula durante uma viagem em 6 de maio de 2005 na qual Lula lhe perguntou quem era Dimas Toledo.

E, segundo Delcídio, o ex-presidente teria explicado o motivo da pergunta: "Eu assumi e o Janene veio pedir pelo Dimas. Depois veio o Aécio e pediu por ele. Agora o PT, que era contra, está a favor. Pelo jeito ele está roubando muito".

Para o senador, Lula disse isso porque "seria necessário muito dinheiro para manter três grandes frentes de pagamentos e três partidos importantes".

Questionado, Delcídio afirma não saber se a irmã de Aécio, Andréa Neves, também estava envolvida em Furnas.

Disse, porém, que na gestão de Aécio em frente ao governo de Minas, a irmã era "uma das grandes mentoras intelectuais dele e estava por trás do governo".

PARAÍSO FISCAL

O senador também afirma, em outro trecho de sua delação, que ouviu de Janene que Aécio era "beneficiário de uma fundação sediada em um paraíso fiscal, da qual ele seria dono ou controlador de fato".

A sede seria, segundo Delcídio, em Liechtenstein, e a operação financeira teria sido estruturada por um doleiro do Rio de Janeiro. A fundação estaria em nome da mãe ou do próprio Aécio.

Ainda sobre o tucano, Delcídio relatou um caso na CPI dos Correios, que investigou o mensalão, no qual Aécio teria atrasado o envio de dados do Banco Rural para fazer uma "maquiagem" nas informações.

"A maquiagem consistiria em apagar dados bancários comprometedores que envolviam Aécio Neves, Clésio Andrade, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Marcos Valério e companhia", afirmou.

Ele contou que o então secretário-geral do PSDB, Eduardo Paes, foi enviado por Aécio para lhe pedir um aumento no prazo para envio das quebras.

"Ficou sabendo que os dados eram maquiados porque isso lhe fora relatado por Eduardo Paes e o próprio Aécio Neves", disse Delcídio.

Anônimo disse...

Todo político é bandido principalmente esse Aecio. Moro em BH sei das histórias dele.