18 de outubro de 2015

TRANSMAZONICA - PROMESSAS E MENTIRAS!

BR 230 – TRANSAMAZÔNICA VAI SE DESINTEGRAR EM BREVE.

Imagem: Blog do Alessandro
 O verão amazônico esta chegando ao seu final neste ano de 2015, e as promessas feitas pelo Governo Federal, via seu representado oficial e fiscalizador Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes-DNIT de que neste ano o trecho compreendido entre o Distrito de Campo Verde (Km-30) e Rurópolis seria todo asfaltado mas, infelizmente, mais uma promessa não honrada com este povo sofrido e humilhado há mais de 40 anos, que mendiga para que esta rodovia federal no Pará seja concluída.

Ponte do Km-17 - Imagem: Jota Parente
Inverno que se iniciou no final de novembro 2014, e terminou em junho de 2015, e até então, não teve conclusão nas obras prometidas. O trecho do Km-100 até Rurópolis ficou intrafegável, sendo preciso os agricultores, juntamente com sindicato e Sintraf, fechar a a rodovia para que o DNIT desse uma manutenção paliativa, sendo que ainda neste verão seria concluída. Entretanto, nada foi feito de concreto para que nosso povo não sofresse as angustias de saírem da sua origem, para o destino com a certeza que chegariam no mesmo dia. Sendo que, o que foi executado não ira aguentar o período dos seis meses de chuva.

Ponte do Km-25 - imagem Jr Ribeiro
Agora o que nos chama atenção é no km 42, onde todos podemos ver nas fotos e relembrar que neste local temos a certeza que foi o quilometro visualizado em toda Federação e Mundialmente, via televisão e rede sociais, quando um microônibus foi engolido pela erosão feita pela água, que levou o ônibus embora como se fosse uma folha de papel. E o serviço executado neste perímetro foi um paliativo, que já esta se desintegrando, com alto fluxo de carretas diárias. E, o pior de tudo é que foi feita somente uma pista para todo esse tráfego.


Imagem Jr Ribeiro
A empresa contratada para fazer estes 150 quilômetros, Construtora Sanches Tripolini, que tem o contrato firmado junto ao governo por meio de licitação, já esta dando aviso prévio para seus trabalhadores, pois até o dia 07 de novembro, estará com um quadro reduzido de colaboradores, porque a mesma sabe que no inverno amazônico não se consegue trabalhar com terraplenagem. E assim, mais uma vez, ficaremos à mercê da lama, transtornos e com prejuízo incalculável, que se repete todo ano, assim como as promessas. Pergunta-se: O que os nossos Deputados Federais Zé Geraldo, Chapadinha, Deputado Estaduais Airton Faleiro, Hilton Aguiar, Eraldo Pimenta, nossa bancada paraense, poderá fazer?

Não podemos esquecer que há poucos dias foi firmado acordo com o DNIT em que a Construtora Sanches Tripolini faria 3 quilômetros de asfalto na BR-230 em frente o Distrito de Campo Verde (Km-30). Mas o que sabemos mesmo é que a construtora irá fazer somente 1.700 metros de asfalto dos 3 mil metros prometidos, pois, segundo a construtora, a empresa recebeu uma ordem de serviço do DNIT com essa metragem de 1.700. Assim, segundo os moradores, será caso de fecharem novamente a BR pela população de Campo Verde e adjacentes. E dois pontos que ficaram firmado de que as pontes dos quilômetros 25 e 17 seriam licitadas até final de OUTUBRO/2015, com início da recuperação do DESVIO em Miritituba - Itaituba Oeste do Pará.

Por: Davi Menezes

Reações:

3 comentários:

Anônimo disse...

engracado......porque o dono do post seu davi menezes nao diz que a sanches tripoloni nao vai asfaltar porque o DNIT nao tem dinheiro esse ano para pagamento dos servicos por conta das pedaladas e roubos do governo dilma e do pt.......

Anônimo disse...

O governo federal está mais preocupado em se manter no poder, do que com qualquer outra coisa, o dinheiro que está sendo gasto pra manter a Dilma no poder, daria pra asfaltar a transamazônica uma dez vez. O problema que em todas as esfera se faz sempre ao contrário, tenta se agradar quem está no poder. ao invés de agradar que dá poder a eles, que neste caso é o povo. Sou favorável de fechar mais uma vez a rodovia e não abrir mais, pra ver quem saber essas informações cheguem aos ouvidos de quem possa resolver de verdade essas situação.

Anônimo disse...

O asfaltamento da Transamazônica trará mais benefícios para as regiões centro oeste e Norte, por isso até hoje nunca foi asfaltada, se os beneficiados fossem os estados do Sul e Sudeste que são mais populosos já teriam saído do papel, veja o caso da hidrelétrica de Belomonte que irá gerar energia para as industrias do sul e sudeste, já está quase pronta e ainda vem mais hidrelétrica por aí, uma das compensações dessas novas hidrelétricas deveria ser o asfaltamentos das rodovia santarém Cuiabá e transamazônica, além da construção de uma ponte ligando Itaituba Miritituba, só após essas obras serem isso concluídas, deveria ser autorizado a construção destas hidrelétricas no Tapajós.