7 de outubro de 2015

LAVA-JATO - 29 DEPUTADOS PEDEM CASSAÇÃO DE EDUARDO CUNHA (PMDB)

Deputados entregam representação contra Cunha na Corregedoria da Câmara

CARLA ARAÚJO - O ESTADO DE S. PAULO

07 Outubro 2015 | 17h 00

Ao todo, 29 parlamentares de sete partidos encaminharam documento alegando contradição entre as declarações dadas pelo peemedebista na CPI da Petrobrás e as informações do Ministério Público da Suíça, que afirma que o peemedebista tem contas no exterior.

Brasília - Um grupo de 29 deputados de sete partidos entregou nesta tarde uma representação na Corregedoria da Câmara contra o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), por suposta quebra de decoro. Eles alegam que há contradição entre as declarações dadas por Cunha em março na CPI da Petrobrás e as informações do Ministério Público da Suíça, que afirma que o peemedebista tem contas no exterior.

Agora, a Corregedoria precisa encaminhar o pedido ao presidente da Câmara, no caso o denunciado, para que ele envie à Mesa da Casa para que haja um parecer que permita que seja instaurado um processo de cassação de mandato no Conselho de Ética, da Câmara. Como Cunha é o acusado, pelo código da Corregedoria, ele pode ou não se declarar impedido e passar a avaliação ao vice-presidente, o deputado Waldir Maranhão (PP-MA). Maranhão é aliado de Cunha e também tem suposto envolvimento na Lava Jato (N. B: Está tudo em casa. Se Cunha se declarar impedido, o que acho difícil, a avaliação ficará a cargo de um aliado e aí, o corporativismo falará mais alto, pois ele, Cunha, assim como Renan à época de seu escândalo, disse que não vai renunciar. Para eles renunciar é e passar atestado de culpado!). 

VEJA AS SUSPEITAS CONTRA EDUARDO CUNHA NA LAVA JATO
"Mula" de Alberto Youssef, Jayme "Careca" relatou em janeiro que levou dinheiro a uma casa no Rio que seria de Eduardo Cunha, mas depois afirmou que não sabia se a casa era do deputado.

  
 

Em 12 de março deste ano, Eduardo Cunha foi voluntariamente à Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga o esquema de corrupção da Petrobras. "Não tenho qualquer tipo de conta em qualquer lugar que não seja a conta que está declarada no meu imposto de renda", afirmou à época. Em sua declaração de bens à Justiça Eleitoral para disputar as eleições de 2014, Cunha disse ter apenas uma conta no banco Itaú.

"As referidas contas jamais foram declaradas no Imposto de Renda do parlamentar, tampouco constam de sua prestação de contas junto ao TSE. Mais do que isso, em várias oportunidades, perante seus pares e a imprensa, o presidente da Casa negou possuir contas no exterior", diz o documento.

Inicialmente, o vice-líder do PPS, Arnaldo Jordy (PA), apresentaria uma representação em separado, como informou o Estado nesta manhã. No entanto, ele preferiu unir-se ao grupo de parlamentares e eles apresentaram uma única peça.

Reações:

0 comentários: