14 de setembro de 2015

PRESIDENTE DO PT DEFENDE MAIS IMPOSTOS E MAIS GASTOS! QUEM PAGARÁ ESSA CONTA?

Presidente do PT defende mais imposto e menos corte de gastos como solução da crise

RICARDO GALHARDO - O ESTADO DE S. PAULO

14 Setembro 2015 | 17h 41
Na contramão do Planalto, que reduzirá despesas para cumprir superávit, Falcão prega aumento de tributos e recriação da CPMF

Na contramão do Palácio do Planalto, que definiu nesta segunda-feira, 14, o corte adicional de R$ 26 bilhões no Orçamento do ano que vem, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, publicou um artigo na página do partido na internet no qual defende o aumento de impostos e a redução dos cortes como saída para a crise.


O objetivo da estratégia é evitar o afastamento entre governo e os movimentos populares que têm saído em defesa do mandato da presidente Dilma Rousseff. Para o petista, a mobilização dos movimentos é “indispensável” para evitar a queda de Dilma.

Rui Falcão, presidente do PT
“Como já disse antes, mais receitas e menos cortes. E estes, quando realizados, não devem sacrificar os que mais precisam das políticas públicas, nem recaírem sobre conquistas dos trabalhadores e do povo”, diz o texto de Falcão.


Entre os possíveis novos impostos que o governo poderia criar para ajustar as contas públicas, Falcão cita a elevação da Cide, tributação de lucros e dividendos, grandes fortunas, heranças e a recriação da CPMF. Segundo Falcão, algumas dessas propostas são aceitas até por setores do empresariado.

“Outras receitas já vêm sendo buscadas através de projetos em tramitação (como o que pretende a repatriação de recursos depositados irregularmente no exterior), nenhum deles a dispensar uma ampla reforma tributária, ancorada num princípio de justiça fiscal: quem tem mais, paga mais: quem tem menos, paga menos”, diz o artigo.

De acordo com Falcão, o governo precisa dar uma “sinalização efetiva” aos movimentos sociais que tem ido às ruas contra os pedidos de afastamento de Dilma. “Para barrar as manobras golpistas (…) é indispensável mobilização e pressão social, só possível com uma sinalização efetiva do governo”, diz o texto. 

Reações:

0 comentários: