24 de junho de 2015

MINISTÉRIO PÚBLICO EM ITAITUBA FAZ COBRANÇAS ANTE DESCASO ADMINISTATIVO E LENIÊNCIA DA CÂMARA DE VERADORES

Enquanto vivos devemos sempre ficar atentos às mudanças e à Esperança, posto que essa foi a única que ficou na caixa de Pandora* quando esta abriu a caixa que continha todos os males da humanidade e, por acreditar na Esperança é que confio numa atuação decente e rígida do Ministério Público em Itaituba, que viveu um pequeno marasmo pela ausência de outros Procuradores, mas com elevado número de questões que envolvem prejuízos à coletividade.

E como consequência dessa mudança, o sítio do Ministério Público paraense amanheceu nessa segunda-feira repleto de ações contra o município de Itaituba, que vem somar ao esforço dos membros da Comissão Parlamentar de Inquérito.





* A CAIXA DE PANDORA
Ao abrir a caixa na frente de seu marido, Pandora liberou todos os males que até hoje afligem a humanidade


A história de Pandora e sua caixa está presente nas narrativas mitológicas dos antigos gregos.
Conta a história que o titã Prometeu (aquele que vê antes) e seu irmão Epimeteu (aquele que vê depois) criaram os animais e os homens. Deram a cada animal um poder, como voar, caçar, coragem, garras, dentes afiados. O homem, criado por Prometeu a partir da argila, ficou sem nada por ser o último a ser feito. Prometeu deu um pouco de cada animal para o homem, mas faltava alguma coisa especial.
Prometeu ensinou diversas coisas ao homem. Ensinou a domesticar animais, fazer remédios, construir barcos, escrever, cantar, interpretar sonhos e buscar riquezas minerais. Porém, enfureceu Zeus ao roubar o fogo dos deuses e dá-lo aos homens. Zeus decidiu, então, vingar-se de Prometeu e dos homens.

Prometeu foi acorrentado a uma montanha. Sua condenação foi passar a eternidade preso a uma rocha, aonde uma ave viria comer seu fígado. Toda noite seu fígado se regeneraria e a ave voltaria no dia seguinte pra lhe comer o fígado novamente.

Para castigar os homens, Zeus ordenou que o Deus das Artes, Hefesto, fizesse uma mulher parecida com as deusas. Hefesto lhe apresentou uma estátua linda. A deusa Atena lhe deu o sopro de vida, a deusa Afrodite lhe deu beleza, o deus Apolo lhe deu uma voz suave e Hermes lhe deu persuasão. Assim, a mulher recebeu o nome de Pandora (aquela que tem todos os dons).
Pandora foi enviada para Epimeteu, que já tinha sido alertado por seu irmão a não aceitar nada dos deuses. Ele, por “ver sempre depois”, agiu de forma precipitada e ficou encantado com a bela Pandora. Ela chegou trazendo uma caixa (não era necessariamente uma caixa, mas um jarro) fechada, um presente de casamento para Epimeteu.
Epimeteu pediu para Pandora não abrir caixa, mas, tomada pela curiosidade, não resistiu. Ao abrir a caixa na frente de seu marido, Pandora liberou todos os males que até hoje afligem a humanidade, como os desentendimentos, as guerras e as doenças. Ela ainda tentou fechar a caixa, mas só conseguiu prender a esperança.
Desde então a história de Pandora está associada com fazer o mal que não pode ser desfeito. Nesse mito também está o nascimento do pensamento sobre o bem e o mal que a mulher pode causar (N. do Blog: alguém aí vai lembrar de um vereador de Itaituba sobre o mal que a mulher causou ao ser criada?!!).
É interessante perceber o motivo de a esperança estar presente entre os males trazidos por Pandora à Terra. Para algumas interpretações, a esperança está guardada e isso é bom. Entretanto, compreendendo a lógica do mito, pode-se ler a história de forma pessimista, pois a esperança está guardada dentro da caixa e a humanidade está sem esperança. Essas duas leituras admitem que a esperança seja algo bom.
Diferente da leitura anterior, Friedrich Nietzsche (1844-1900) escreveu, em Humano, Demasiado Humano, que “Zeus quis que os homens, por mais torturados que fossem pelos outros males, não rejeitassem a vida, mas continuassem a se deixar torturar. Para isso lhes deu a esperança: ela é na verdade o pior dos males, pois prolonga o suplício dos homens”.
Outra leitura é traduzir a palavra grega Elpis como expectativa ao invés de esperança. Assim, o homem é poupado de ter a expectativa do mal a todo instante, tornando a vida algo suportável apesar dos males.


Filipe Rangel Celeti
Colaborador Mundo Educação
Bacharel em Filosofia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie - SP
Mestre em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie - SP


Reações:

1 comentários:

Anônimo disse...

VEREADOR PENHINHA:

PORQUE A CPI NÃO PEDE A SUSPENSÃO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO DE VEÍCULO, POIS COMO É QUE PODE UMA EMPRESA PARTICIPAR DE UMA LICITAÇÃO ONDE SÃO ANALISADOS OS PREÇOS DE ALUGUEL E NA CPI O EMPRESÁRIO ELVIS (EMPRESÁRIO DE FACHADA) NÃO SABE QUANTO RECEBE PELO ALUGUEL!

BRINCADEIRA PENHINHA!