17 de março de 2015

GOVERNO FEDERAL DEVE LEILOAR DUPLICAÇÃO ENTRE SINOP/MT E ITAITUBA/PA. QUEM ACREDITA?







          O leilão para a concessão de duplicação da BR-163 entre Sinop/MT e Itaituba(PA) deve ocorrer ainda neste semestre. A obra está inclusa no Programa de Investimento em Logística (PIL) do governo federal. Segundo afirmação do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, durante evento em São Paulo, nesta sexta-feira (06), as concessões do PIL devem ser retomadas até à metade do ano, contemplando a rodovia.


          Com essa concessão, os portos da região Norte do país – sobretudo o de Miritituba - passam a ser uma grande alternativa para o escoamento da produção agrícola de Mato Grosso, desafogando os portos de Santos, em São Paulo, e de Paranaguá, no Paraná.

          O modelo de concessões adotado para as rodovias exige a duplicação de todo o trecho no prazo de cinco anos para beneficiar rapidamente os produtores e os consumidores. A concessionária poderá cobrar pedágio a cada 100 quilômetros, após a duplicação de, pelo menos, 10% da rodovia. 


        De acordo com o Ministério dos Transportes, o prazo de concessão será de 30 anos e a empresa que vencer o certame terá que investir cerca de R$ 6 bilhões no período. A estimativa do governo federal é que no início da duplicação sejam escoados pela nova rota cerca de quatro milhões de toneladas de grãos por ano, podendo chegar a 10 mi/t no fim da duplicação (em cinco anos) e até 26 mi/t no fim da concessão.

        A Odebrecht Transport foi a vencedora da concessão do trecho de 850 km da BR-163 ente a divisa de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, até o município de Sinop. A empresa mostrou interesse em concorrer também à duplicação até Itaituba. 


Estima-se que, entre Sinop e Rondonópolis, trafeguem mais de 10 mil carretas por dia no pico da safra. Fontes do setor agrícola também afirmam que, assim que a rodovia estiver totalmente duplicada e os portos de Miritituba em pleno funcionamento, esse fluxo poderá se inverter quase em sua totalidade, já que a soja e o milho produzidos no médio-norte mato-grossense serão exportados pelos portos do Norte, já que o frete será cerca de 30% mais barato.

Com a colaboração de Luiz Carlos Tremonte. Imagens extraídas da internet

Reações:

0 comentários: