16 de janeiro de 2015

CASO AEROPORTO - HÁ UMA LUZ NO FIM DO TUNEL!

Aeroporto: aonde o governo quer chegar? *


Aonde o governo do município pretende chegar no que diz respeito ao aeroporto de Itaituba? Esse questionamento foi feito pelo empresário Jorge Machado, um dos que estão sendo fortemente prejudicados com a suspensão dos voos das duas empresas comerciais que atuam aqui, depois que a MAP realizou seu último voo, dia 10 passado, até que se resolvam as não conformidades do aeródromo municipal.

Os prejuízos não são apenas de monta particular, como para empresas e profissionais liberais que atuam em alguma atividade diretamente relacionada com o setor, mas, para o município como um todo, porque é pelo aeroporto que entram muitos homens e mulheres de negócios de todos os portes. E o não funcionamento significa que dezenas de investimentos deixam de ser concretizados.

A Prefeitura de Itaituba tem buscado algumas parcerias para tentar solucionar o problema. Não está errado, porque essa é uma tendência, conquanto o próprio governo federal faz uso desse expediente. Porém, quando não consegue algum tipo de doação em curto prazo, o serviço trava.

O descontentamento de seguidos gestores com a responsabilidade jogada pelo governo federal nos ombros do município, que tem que administrar um aeroporto deficitário, vem passando de governo para governo, desde Wirland Freire, que ainda em seu primeiro ano de gestão ameaçou fechar o aeroporto para tentar forçar o governo a reassumir sua administração.

Certamente, aquilo não funcionaria se ele tivesse insistido em fechar as portas do aeródromo. Mas, Wirland não chegou a tal extremo, porque algumas pessoas que ele costuma ouvir, as quais faziam parte de sua administração, argumentaram que embora ele tivesse razão, porque essa deve ser uma responsabilidade do governo federal, no final das contas quem seria punido seria o município.

Depois, passaram-se os governos de Edilson Botelho, novamente Wirland, Benigno Reges que o substituiu, Roselito Soares com um mandato completo e mais de um ano do segundo mandato, Valmir Climaco assumiu, e agora, no governo de Eliene Nunes, e o problema perdura sem nenhuma previsão de final para essa novela que faz de Itaituba um lugar ainda mais distante do que é, por causa das dificuldades de se chegar aqui.

Sem o aeroporto funcionando, a começar pelos taxistas que atuam naquele ponto, passando pela empresa que mantém carros para aluguel para quem chega de fora e precisa de um veículo para se locomover pela cidade, por hotéis, agências de viagens e restaurantes, está todo mundo reclamando com toda razão, pois todos sofrem prejuízos.

Donos de agências de viagens falam em queda de mais de 90% do movimento, porque para quem eles vão vender passagens, sem nenhuma linha regular operando? Nos hotéis a queda de ocupação chega a pelo menos 50%. Ressalte-se que isso é o que se vê, porque, quantos negócios tem deixado de ser fechados por causa do não funcionamento do aeroporto?

Numa reportagem que a TV Tapajoara levou ao ar no Focalizando de segunda-feira passada, foi dito que alguns donos de hotéis pediram para não aparecer na frente das câmeras, por temerem retaliações do governo da prefeita Eliene Nunes. Disseram eles, que se dessem qualquer declaração em público, poderiam sofrer algum tipo de perseguição, pois é assim que o governo age com quem ousa criticá-lo.

Não é a primeira vez que se ouve falar disso (perseguição). Nas redes sociais e em alguns veículos de comunicação o assunto tem sido tratado. Mas, agora ganhou uma conotação diferenciada por se tratar do telejornal de maior audiência da cidade. E ninguém do governo se apressou em vir a público dar uma explicação, ou desmentir, o que só piora a imagem da atual gestão.

Aonde quer chegar o governo municipal quanto ao aeroporto? Talvez o problema seja o mesmo que tem sido observado em outros setores da atual administração: falta de atitude, pois em vez de ficar apenas esperando que a solução venha através de gestos de boa vontade de terceiros, a prefeita Eliene Nunes deveria chamar diretamente para ela essa responsabilidade, porque é inconcebível que neste momento de crescimento do município, no qual existem grandes expetativas, Itaituba não tenha seu aeroporto em pleno funcionamento. Por causa disso, a imagem da prefeita está passando por um novo processo de desgaste, tanto junto a boa parcela da população, quanto perante o poder econômico do município, que precisa desse serviço fundamental, que é o funcionamento regular do aeroporto. 

*Na edição impressa do Jornal do Comércio, circulando

Nota do Blog: "Aposta na aviação regional - A presidente Dilma e o ministro Eliseu Padilha (Aviação Civil) acertaram ontem que o governo vai acelerar a construção de aeroportos regionais. Os alvos imediatos são os 124 aeroportos que também interessam às empresas de aviação. Em um ano de ajuste, terão preferência os de menor custo: dasapropriação resolvida (sem desembolso) e questão ambiental solucionada ou com menores exigências. As maiores demandas do mercado estão em Minas Gerais (33) e Amazonas (25). Há ainda 146 aeroportos que sertão subsidiados. Para isso, o governo pode usar 30% da arrecadação anual do Fundo de Aviação Civil, o que dá uma receita de R$1,3 bilhão" - Ilmar Franco (Diário do Pará, Caderno B, pág. 9, 16/01/2015).

Conforme fala o confrade Jota Parente acima, diversos prefeitos tentaram repassar o aeroporto ao governo federal, sem sucesso e, como é de conhecimento geral, nosso terminal aéreo não tem problemas ambientais, é de pequeno porte (menor custo) e o municipio quer repassar à União (sem custos) a responsabilidade pela administração, esse é um bom momento para terminar com essa lenga-lenga em Itaituba e o município se apressar e entrar em contato com a Aviação Civil e fechar logo um contrato, convênio ou o que seja, mas que dê solução. A população irá agradecer!

Reações:

2 comentários:

Anônimo disse...

Prefeita vai pra Belém passear e diz que foi trabalhar, o problema que essa reuniões em Belém nunca surtem nenhum benefício pra Itaituba, enquanto isso as coisas continuam pior. O que ela conseguiu do governo do estado foi perder 4 milhões que seriam pra reforma do hospital municipal.

Anônimo disse...

É uma irresponsável e sem vergonha na cara. Mas ela que se prepare, pois vem chumbo grosso por aí. É só esperar pra ver.