11 de março de 2013

HUGO CHAVES - AS HERANÇAS DE UM VERME MORTO


VENEZUELA: É espantoso tantos lulo-petistas endeusarem Chávez, que deixou um país riquíssimo em petróleo dependente em 70% das importações de comida

Prateleiras magérrimas em supermercado de Caracas: quase tudo é importado, mas falta quase tudo (Foto: camcomeciobolivar.com)
A herança maldita deixada pelo falecido caudilho Hugo Chávez na Venezuela após sua morte, na semana passada, não se limita ao autoritarismo, ao esfacelamento das instituições, a um dos índices de criminalidade mais altos do planeta, à corrupção e à ineficiência da máquina do governo, inchada de cumpinchas.
A economia do país está em frangalhos, como já mostramos em post. E, apesar de nadar num mar de petróleo — a Venezuela rivaliza com a Arábia Saudita em matéria de ter as maiores reservas do “ouro negro” do planeta –, Chávez fracassou redondamente em diversificar as atividades produtivas do país, concentradas na produção de petróleo, um desafio que diferentes governos não conseguem resolver há décadas e que, com o caudilho, chegou ao paroxismo.
Nem comida para seu povo a Venezuela produz suficientemente, e nunca as coisas estiveram no nível em atual: 70% de tudo o que os venezuelanos consomem vêm de fora — de alface até arroz, de farinha para pão até carne, de enlatados a frutas.
Vejam bem, um país imenso, de quase 1 milhão de quilômetros quadrados, com uma vasta área de terras agricultáveis e uma população relativamente pequena para sua extensão — perto de 30 milhões de habitantes, 12 milhões menos que o Estado de São Paulo — não consegue nem de longe produzir alimentos para seu próprio consumo.
Por esse dado, dá para imaginar o resto, não?
Ah, antes que me esqueça: boa parte das importações de alimentos vêm do Grande Satã, os Estados Unidos tão amaldiçoadas e hostilizados pelo chavismo.
É esse o regime tão incensado pelos lulopetistas.
FONTE: Blog do Ricardo Setti

Reações:

0 comentários: